25 de fevereiro de 2015

Farrapos.



Como casa destelhada,
é a minha alma nua,
por companhia a tristeza,
guarida de farrapos,
na tentativa de sacudir pó,
varrendo a solidão,
perspectivando o Sol,
para deixar entrar o sonho,
da paixão e voltar amar.

by mghorta


Sem comentários:

Enviar um comentário