6 de março de 2017

Despedida.

Nunca sei encontrar as palavras certas para me despedir de ti, fico sempre com um vazio frio dentro de mim com medo de uma palavra que terei dito ou não dito, fico com a impressão de um mal-entendido solto que faça tremer tudo que se passou por nós num vazio inexistente, como gota de água solta em telhado desesperado.

Não sei me despedir de ti nos poucos momentos juntos, sou como palmilhante atravessando as multidões sofridas num mundo caótico sem amor.

Como um cego tacteando pelos paralelos da vida, não sei me despedir de ti, faltam as palavras para dizer mais algo que o simples toque de mãos e lábios ávidos de um beijo prolongado.

Soterrado de pensamentos da nossa história, não consigo afastar-me de tudo o que és.

Num vazio inexistente, despedir-me de ti é como algo que parte de mim para uma caminhada no nada.

by mghorta 

2 comentários: