26 de janeiro de 2017

Amor Profano.

Na solidão da noite
mergulho nos escombros
de um passado inglório,
derrotas pessoais
paixões marcantes
diluíram-se na ampulheta 
do tempo no bater de meu coração
que agora não passam
de simples recordação.

Sentimentos que polinizaram
meu ser em fel.

Alma amargurada
como um toque de Morfeu,
vivências de tempos idos
que jamais serão revividos,
amores ditos e proclamados
no templo profanado
num chão sagrado
por mim um dia pisado.

by mghorta


Sem comentários:

Enviar um comentário