17 de maio de 2016

Desfrutar Poesia!




Se porventura desfrutei de poesia,
muito errado eu estava,
pelos anos vividos,
não soube te dizer  amor,
muito menos vontade para poetizar,
nada consegui muito menos conquistei,
não diferi nem sei o fazer,
do meu bem ou do mal que faço,
por vezes sou doce,
outras vezes sem sal,
se porventura desfrutei de poesia,
emociono-me de olhos lacrimosos,
palavras de poeta real,
quem me dera escrever como tal,
as milhares de mulheres que passeiam,
nas páginas de meu espaço,
nenhuma é como tu,
pois lês e voltas a reler, 
balanças nas linhas,
douras as palavras e choras,
''por favor Senhor ensina-me a escrever,
drama, prosa, lírica ou épica...''
para que não se trate só de mamas,
mas também de tomates junto com caralho,
intempestividade ou cruel, 
extrovertido ou real,
para que deguste de comentários,
bons ou mal,
bocas sujeitai-vos aos beijos,
corpos às caricias,
seja à noite ou de dia,
madrugadas ao léu,
olhares viajantes,
leiam a minha missiva,
como se houvesse musica no ar,
ah! se eu fosse poeta,
se porventura desfrutei de poesia,
viveria da boémia,
falava do alheio,
compunha versos de cortesia,
elogiava quem me relê,
apupava os forasteiros,
clamaria aos poetas,
para que me ensinassem maneiras,
se porventura desfrutei de poesia...

by mghorta  (Desfrutar Poesia!)



William Etty

Sem comentários:

Enviar um comentário