14 de julho de 2017

Pés de Barro!


Um dia disseram-me que tinha conteúdo, essência e matéria, idealismo no olhar e dois pés assente no chão.
No entanto cheguei à triste conclusão que era apenas um elogio que nada se identifica com quem eu sou na realidade, porque gosto de gente que ri, chora, emociona-se com uma simples mensagem, uma carta atrasada, uma sms ou até mesmo um telefonema.
Gosto de pessoas que se emocionam com uma canção suave, com um filme com final feliz, com um livro curto mas com leitura inteligível, com um carinho inesperado, com um abraço de afago e com um toque simples na sua pele.
Gosto de gente que fale de amor com a simplicidade de uma criança, gente que curta saudades de momentos passados, gente que goste de amigos simples, gente que cultive flores, gente que ame os animais, gente que admire paisagens verdes ou acastanhadas, gente que corra numa rua poeirenta e gente que saiba escutar seu interlocutor.
Gosto de gente que tenha tempo para sorrir com doçura, gente com bondade, gente que saiba perdoar, gente que reparta ternura sem querer troco, gente que compartilhe vivências.
Aquela gente que saiba dar espaços para ambas as emoções, aquelas que flui-em de modo simples e desinteresseiro.
Também gosto de gente que sabe gostar de aquilo que faz, gente que saiba cumprir seus compromissos tantos os complicados como os banais mesmo que sejam desgastantes os façam.
Gosto de gente que seja orientada, que entenda, que aconselhe, que queira as verdades, que queira aprender, que seja criança, que seja pobre, que seja analfabeto, que tenha o coração desocupado de tristezas, que não tenha ódio, não tenha preconceitos caros ou baratos, que tenha muito amor dentro de si, gente que mesmo que caia se levante, assimile as derrotas com um sorriso no lábios, que saiba sorrir perante as derrotas e saiba conter suas lágrimas e sofrimentos como provações.
Em suma, disseram-me tudo isso de mim, mas nada sou aquilo que descrevi acima, olhando tudo o escrevi e tudo aquilo que fiz, desde as vivências do passado e os momentos últimos, só me resta interiorizar e dizer que afinal apenas sou um simples pedaço de barro com pés prontos a tombar!

by mghorta

 

Sem comentários:

Enviar um comentário