26 de abril de 2017

Que Puta de Sorte a Minha!


Que puta de sorte a minha,
quando pensava ter o pássaro na mão,
momentos depois ele bate asas e voou,
sentado choro esperando,
que as asas que o levou 
o traga de novo ao poiso de minha mão.

Cabeceio as paredes,
grito alto e bom som,
que puta de sorte a minha.

Rio à gargalhada como que não houvesse amanha,
porque é uma incerteza o que a vida me reserva,
e quem disse que rir é o melhor remédio,
enganou-se inteiramente,
dado que meu estado de alma é dor,
vou sangrando por causa de desamor.

Vou correndo de passadas grandes,
pontapeando a calçada,
que puta de sorte a minha.

Dos fracos contam-se histórias,
de heróis estão os cemitérios cheios,
vou sorrindo de mansinho,
para que minha sorte volte devagarinho.

Remo forte em mar revoltado,
vejo longe o horizonte,
que puta de sorte a minha.

Não vale a pena sonhar,
porque deuses adormeceram,
mas vou lutando e rindo,
para que a puta da sorte a minha,
não esqueça que estou vivo e não dormir.

Esmurro secretárias,
berro bem alto a bom som,
que puta de sorte a minha.

by mghorta  (mamas à solta)



Sem comentários:

Enviar um comentário