15 de outubro de 2017

Sonhar!

Sempre disse por directas e indirectas quem Sou,
hoje revejo-me na pele de um Guerreiro,
nesta Vida que eu sei quem posso ser,
onde os limites de sonhar não param,
Sonhar é somente para nós mortais.

by mghorta 


7 de outubro de 2017

No cume do nosso monte.




Noctívagos!


Quis percorrer caminho de antes, saí pela noite e sem moderação porque meu coração falou alto, não tinha vento nem chuva, fazia um luar de amores, apenas o silêncio por companhia, até que dou de caras com uma vitrina, era um bar que me era familiar, espreitei e nada vi de interesse, voltei costas e pensei que não era lugar para mim hoje.

Quando caminho dou face a face com uma silhueta que me era familiar:
- Olá tu por aqui... (eu)

- Sim, e tu também! (ela)
- Saí só para saber como estavam as noites de Leiria! (eu)
- Piada, também aproveitei a noite para tentar recompor ideias, as nuvens estão longe, o calor me deixa extasiada, e queria aproveitar com alguém este momento... (ela)
- Perdoa-me amiga, não sei se serei o elo que precisas, mas aproveitamos o momento para saber mais de ontem que o presente já sabemos... (eu)


Confesso, não sei que me passou pelo cérebro estar a fazer uma proposta a alguém que me era tão familiar, ao mesmo tempo desconhecida.
Damos connosco a caminhar sem destino por uma calçada que em tempos pisei, o cheiro das laranjeiras secas de sede, caminhámos e fomos bater de novo na vitrina embaciada de fumos, fumos de um ambiente nocturno que tanta vez foi meu habitat e que com o tempo nada mudou, as pessoas nos olhavam como interrogando:
- Olha, ele regressou mas quem é a moça?
Sentámos num canto acolhedor como que o lugar fosse sempre nosso, pedimos algo para beber e trocamos uns mimos, mimos de compromisso que como estivéssemos ali à muito sentados, como que fossemos dois amantes.

- Casualidade a nossa, nunca supus te encontrar por aqui amiga? (eu)
- Pois não, até porque nem sabia que frequentasses as noites de Leiria... (ela)

Assim continuamos conversando, mais uma bebida e outra, sussurrámos e rimos de coisas banais, parecíamos dois colegiais que se tinham encontrado a primeira vez, mas o ambiente propiciava atrevimentos, atrevimentos que com a bebida exalava os nossos olhares como que se estivéssemos quase nos braços um do outro.
As mãos, essas tocavam nos corpos baixo da mesa já cansada de ouvir nossas conversas de gozo, gozo esse que só não trepava para outro patamar porque o lugar e os olhares nos fulminavam como que fossemos estranhos, sim estranhos num ambiente tão quente em que até os nossos corpos exalavam suor de tesão.
As horas passaram, com elas toques, beijos leves, beliscos e risos comprometedores e atrevidos, porque também o quisemos assim para mostrar que o bar nos era tanto nosso como deles.

- Ficamos por aqui? (eu)
- Não sei, e tu que me dizes? (ela)

Nossas peles suavam, as roupas transpiravam suores e odor a coco, somente o espaço e o lugar não nos deixavam acabar nossos instintos de desejo.
Já pela madrugada dentro, os vidros embaciados da vitrina que meus dedos limparam para escrutinar a noite lá fora:
- Vamos, não percamos mais tempo...

Dou por mim na rua, sentado num banco de jardim e ela por cima em meu colo, os arbustos e as estrelas eram testemunhas de uma entrega total, parecia que o tempo e o mundo parou nos momentos seguintes, tudo tão perfeito e tão promissor como o luar, não sei até quando durou a entrega dos nossos corpos e de quem nos viu ou desviou o curso de seu trajecto pelo jardim porque o espaço era só nosso e os gemidos de prazer eram tão notórios que, a satisfação foi tal ao ponto de nossos lábios molhados teimavam não separar, os olhares vidrados e nossas roupas desajeitadas que até nos davam aspecto de simples e comuns amantes noctívagos.

- Não, não vais... (dizia ela)
.
.
.

Acordo, simplesmente acordo com a intenção de que o sonho fora tão real como os seus intervenientes.

by mghorta


1 de outubro de 2017

Tantas Coisas!


Já fiz tantas coisas,
umas para ser feliz,
outras fazer alguém feliz,
arrependo-me das que não fiz.
Vou indo a caminhar,
nesta caminhada sofrida,
até onde não o sei,
aonde esta estrada me levar.
Por vezes sozinho,
nem sempre carente,
basta-me só tocar
a minha Vida Para a Frente.

by mghorta 


23 de setembro de 2017

Riem-se. ..


Interiorizando-se!

Saudades uma palavra que tenta traduzir muito algo que além da dor, é uma ansiedade tamanha que até se torna estranha, até sua grandeza escorre pelas faces dilacerando os olhos.
Tentar diminui-la com um abraço interminável, um beijo longamente demorado, olhando as fotos por horas dos momentos, permanecendo nos locais das histórias, ouvindo a música soletrada, mesmo assim tudo parece insuficiente!
Não importa a dor que magoa sentir saudades, mas é preciso nos interiorizar-nos para relembrar de como foram felizes os dias que já vivemos! 

by mghorta


18 de setembro de 2017

Regresso ao Passado.

Dou por mim num pátio vazio e abandonado, vejo alguém sair de uma casa abandonada  caminhando em minha direcção como que eu ali não estivesse.

Passou ao lado como que eu fosse sombra, sentou-se num muro ali perto me olhando de soslaio como eu fosse fantasma, mas repentinamente rema num barco pelo pátio como que estivesse nas nuvens, olhei para o fundo do pátio e vejo a barraca de madeira que foi palco de minhas brincadeiras, jogar à escondidas e às escolinhas, saltar às fogueiras, coisas de menino. 

Repentinamente caminhava uma silhueta feminina por trás da barraca, as feições eram-me familiares mas não me recordava quem, trazia segurando uma bola nas mãos e jogou-a em minha direcção, defendi e devolvi com carinho de novo para suas mãos, interagiu de novo e trocámos a bola de novo, uma vez mais e outras mais estávamos jogando como que fossemos íntimos. 

O outro alguém apareceu de novo, olhava para nós como que querendo entrar no jogo de bola, passei a bola para ele e passou-a para mim, de mãos em mãos a bola girava como que fosse o nosso mundo no momento.

Mais um passe curto e a bola caiu pelo chão, passeia com o pé na direcção da silhueta feminina que me devolve com um forte pontapé e indefensável, não me joguei ao chão para defender e disse:

__ Em outros tempos tinha-me jogado ao chão e defenderia esta bola, nunca seria golo menina...

__ Mas quem é o senhor?

__ Em muitos anos atrás eu morei aqui, brinquei com alguém com suas parecenças que morava na última casa... 

__ Sim, era minha avó!

__ Uma grande senhora, meu primeiro amor de menino...
.
.
.



Repente acordo, tinha regressado ao passado como que o sonho fosse tão real quanto eu.

by mghorta




16 de setembro de 2017

Pedras!

Caminhar sem tropeçar começa por saberes evitar as pedras,
aquela pedras que encontramos no caminho,
basta somente nem olhar para elas,
as tentações são tantas de as visionar,
mas bastará a recordação de dores,
as dores do medo de voltar a magoar-nos,
será o suficiente de não as defrontar
recordar da ultima vez que tropeçamos nelas.

Corre veloz,

foge rápido,
o erro e o pecado estão debaixo delas,
ultrapassa-as olhando na frente,
deixa para trás o pensamento
de dores que elas te causaram.

by mghorta 


Estou perdido!

Era Uma Vez!

Talvez um dia possamos nos arrepender de algo que fizemos,
o arrependimento é um modo de mostrar que não tivemos medo,
medo de tentar mudar o curso de nossas vidas.

Daí se os acontecimentos não deram tão certos que pretendíamos,
a nossa vida segue, 
segue de forma mais amadurecida para tentarmos errar mais vezes,
as vezes  que for preciso para Aprender a viver.

Caso esperes de mim atitude de dúvida, 
fecha os olhos e não me culpes por isso,
compartilhar minhas Vivências estão na tua mão,
para isso basta querer e não ter dúvidas,
isso só afastaria nossa amizade
e restará uma lacuna de não ter
coragem para mostrar Arrependimento.

by mghorta


28 de julho de 2017

O Segredo!

Estamos equivocados,
nunca fomos iguais,
tu és teimosa e eu dócil...
O segredo é Penetrar,
há que adentrar-se
nas tuas insinuações
criando modo de te perder!
O segredo não é tentar ser iguais,
poetizando desistências,
tu desistes e eu Ardo. 

by mghorta 


14 de julho de 2017

Pés de Barro!


Um dia disseram-me que tinha conteúdo, essência e matéria, idealismo no olhar e dois pés assente no chão.
No entanto cheguei à triste conclusão que era apenas um elogio que nada se identifica com quem eu sou na realidade, porque gosto de gente que ri, chora, emociona-se com uma simples mensagem, uma carta atrasada, uma sms ou até mesmo um telefonema.
Gosto de pessoas que se emocionam com uma canção suave, com um filme com final feliz, com um livro curto mas com leitura inteligível, com um carinho inesperado, com um abraço de afago e com um toque simples na sua pele.
Gosto de gente que fale de amor com a simplicidade de uma criança, gente que curta saudades de momentos passados, gente que goste de amigos simples, gente que cultive flores, gente que ame os animais, gente que admire paisagens verdes ou acastanhadas, gente que corra numa rua poeirenta e gente que saiba escutar seu interlocutor.
Gosto de gente que tenha tempo para sorrir com doçura, gente com bondade, gente que saiba perdoar, gente que reparta ternura sem querer troco, gente que compartilhe vivências.
Aquela gente que saiba dar espaços para ambas as emoções, aquelas que flui-em de modo simples e desinteresseiro.
Também gosto de gente que sabe gostar de aquilo que faz, gente que saiba cumprir seus compromissos tantos os complicados como os banais mesmo que sejam desgastantes os façam.
Gosto de gente que seja orientada, que entenda, que aconselhe, que queira as verdades, que queira aprender, que seja criança, que seja pobre, que seja analfabeto, que tenha o coração desocupado de tristezas, que não tenha ódio, não tenha preconceitos caros ou baratos, que tenha muito amor dentro de si, gente que mesmo que caia se levante, assimile as derrotas com um sorriso no lábios, que saiba sorrir perante as derrotas e saiba conter suas lágrimas e sofrimentos como provações.
Em suma, disseram-me tudo isso de mim, mas nada sou aquilo que descrevi acima, olhando tudo o escrevi e tudo aquilo que fiz, desde as vivências do passado e os momentos últimos, só me resta interiorizar e dizer que afinal apenas sou um simples pedaço de barro com pés prontos a tombar!

by mghorta

 

13 de julho de 2017

Poema Escondido!


Todos temos um poema escondido nas nossas recordações, nos nossos corações...
Um poema complexo feito de momentos felizes, também de desilusões...
Mágoas, choro, alegrias...
Momentos que de magia encheram a nossa vida...
Poema onde não rima onde impera a tristeza, a mágoa e a emoção...
Mas onde impera também uma felicidade total de alegria e de paixão...
Momentos interiorizados no coração bem guardados...
Poema que ninguém lê que fica apenas em nós...

(desconhecido)










18 de junho de 2017

Dever até quando!

Avaliando, mesmo quando o dever chama,
esperando o amor premeditado e prometido... 
Se é que ele existe, onde estará Escondido?
São estas as dúvidas de quem ainda Ama.

Esse Amor já fez de mim um prisioneiro,
recluso, réu confesso, vitima por ter dito que amava.
'Eu Te Amo', disse-o, confessei, apalavrei...
Talvez o meu erro foi o ter dito primeiro!

Traído pela minha insegurança,
maltratado pela minha paciência,
Torturado pela própria consciência,
magoado pelo Amor que não se cansa.

'O Amor é paciente', Esperarei então,

'O Amor suporta', suportarei a espera.
Amando, terei forças para esperar
deixando as mágoas da negação.

Rolam as horas da espera desesperado,
esperando em aflição meu julgamento.
Entretanto e com pena minha atormentado
pela Solidão a que fui sentenciado por Amar.

by mghorta  (citando mamas à solta)


16 de maio de 2017

Verdade Nua e Crua.

Por  vezes  só  gostava de
fugir da minha realidade!


Alma Dorida!

Dentro das minhas entranhas procurei meu silêncio, no meu olhar triste o horizonte, encontrei minhas lágrimas cansadas descendo meu rosto enrugado pelo tempo, procurei no coração dorido respostas, apenas vento soprando os momentos e lembranças de sonhos, olhei de soslaio o além e não enxerguei nada, o meu universo ficou mais só quando procuro a razão, fecho os olhos e daí a alma empobrece brutalmente, resta-me chorar as dores de quem partiu de vez entre as nuvens do céu tenebroso que levou todos os momentos, as histórias e lembranças minhas de um amor promissor, ventos dentro de mim frios sopram a minha alma embriagada de saudades...
Pelo infinito eterno da minha solidão morreu a esperança dos encontros e até dos desencontros dos reflexos de um passado em que só me resta o pensamento purificador da minha Alma Dorida!

by mghorta



28 de abril de 2017

De Tudo e do Nada!

Hoje apetece-me escrever, escrever sobre nada e sobre tudo...
Tem dias que apenas sei que me apetece, apetências de nada e do nada ...
As palavras vãs ecoam sem anexo e voam directamente para a tela, tela vazia de nada e de tudo...
Silabas soltas que meu coração dita sem motivo e sem razão, só porque me apetece escrever algo do nada e de tudo...
Tem dias e hoje apenas sei que estou de apetências, saliento que nada mas mesmo nada e de tudo sei escrever!
Pouco me importa que o que escrevo num amanhã venham a interessar a outros e que façam algum sentido o que escrevinho, pouco me importa isso!
Não posso agradar a gregos nem a troianos ao mesmo tempo, apesar de querer ser agradável e naquilo que escrevo tenha um sentido qualquer, pouco quero elogios muito menos criticas, só porque me apetece escrever de tudo e de nada...
Quando escrevo sinto liberdade, transmito-me para outros e para o mundo, são momentos sentidos que a outros transparecendo meus sentimentos soltos de tudo e de nada.
Por não saber escrever, cada ponto, virgula, exclamação ou interrogação vai surgindo ideias de tudo e do nada, ideias soltas de uma mente confusa, profana ou santa, é o que sou e não quero que elogiem, apenas só porque me apetece escrever de nada e de tudo!
Tem dias e hoje queria apenas ter uma razão para escrever algo ditado por meu coração, mas nada e tudo tem sentido...
Chego à triste conclusão que apenas escrevo para mim, de tudo e do nada porque queria que fosse livre e ninguém me pode me oferecer essa liberdade do nada e de tudo!
Apenas tem dias e hoje apetecia-me ser livre, sem a alma aprisionada a algo, mas concluo que tudo isso é nada e é tudo...
Por fim, a liberdade é imaginária e quanto mais quero escrever de tudo e do nada, mais eu quero ficar teclando de abstracto e do que nada e tudo tem dias que é assim............................................. apenas queria escrever De Tudo e do Nada!!!

by mghorta



26 de abril de 2017

Que Puta de Sorte a Minha!


Que puta de sorte a minha,
quando pensava ter o pássaro na mão,
momentos depois ele bate asas e voou,
sentado choro esperando,
que as asas que o levou 
o traga de novo ao poiso de minha mão.

Cabeceio as paredes,
grito alto e bom som,
que puta de sorte a minha.

Rio à gargalhada como que não houvesse amanha,
porque é uma incerteza o que a vida me reserva,
e quem disse que rir é o melhor remédio,
enganou-se inteiramente,
dado que meu estado de alma é dor,
vou sangrando por causa de desamor.

Vou correndo de passadas grandes,
pontapeando a calçada,
que puta de sorte a minha.

Dos fracos contam-se histórias,
de heróis estão os cemitérios cheios,
vou sorrindo de mansinho,
para que minha sorte volte devagarinho.

Remo forte em mar revoltado,
vejo longe o horizonte,
que puta de sorte a minha.

Não vale a pena sonhar,
porque deuses adormeceram,
mas vou lutando e rindo,
para que a puta da sorte a minha,
não esqueça que estou vivo e não dormir.

Esmurro secretárias,
berro bem alto a bom som,
que puta de sorte a minha.

by mghorta  (mamas à solta)



21 de abril de 2017

Semente!

Abraça-me como ramos em mim,
estende-te para além do impossível,
ondula gotas de suor no meu corpo,
agita teus seios hirtos de tesão,
procura meu interior,
sê em mim mais que sexo,
sê em mim semente!

by mghorta (citando mghorta)



Braços & Abraços

Toma-me de um golpe
emerge-te em mim
arranca-me das sombras
sacia-te de mim
sorve-me como gotas
lambe-me inteiro
engole-me sou teu
embala-te em gemidos
carrega-me com teus ais
encharca-te de meu amor
escorrega-te em meu peito
resvala teus seios no meu gémeo
invade-me com tua loucura
abre-te e cerca-me abraçando
descobre-te como Vénus
penetra-te em meu ser
cavalga-te agonizando
cega-te de luxuria
preenche-me em êxtase
alimenta-me com tua semente
e me deixa dormente,
vacilante,
incoerente,
saciado,
esvaziado,
inerte de volúpia
explodido de cansaço
inundado de loucura
embebido de abraços
extasiado de beijos
desse teu louco amor
em teus braços
meus abraços de prazer. ..

by mghorta  (mamas à solta)




17 de abril de 2017

Mãos Trémulas!

Teclo sem razões,
escoam-se promessas,
o Sol escoa no no horizonte,
imagens apagam-se,
esvoaçam imagens
com sabores a saudade,
será um Adeus permanente!
Perdeu-se a magia,
gostaria de te tocar
olhar as marcas do teu rosto,
secar tuas lágrimas,
afagar teus cabelos desalinhados
nas minhas mãos trémulas
suadas de cansaço
deixam esvoaçar desejos
na ausência do teu corpo
a dor aumenta a carência. ..
Desenhei horizontes
teclando ferozmente
em páginas desenfreadas
procurando o Amor,
encontrei desamor
recolhendo desafores
pelas mãos trémulas.
Percorram-se estações
quando a Primavera desponta,
algemado aos passados
recordo com magia
o passado acordado,
algo morto ficou lá
por isso as mãos tremem.
A dor da falta de Amor
fazem fluir palavras sem anexo,
formando poemas desalinhados
na esperança de corpos aninhados,
são apenas mãos trémulas
procurando por uma só vez Amor.

by mghorta  (mamas à solta)


Sonhar Voando. ..


.
 . ..
em tudo tem os seeee's, 
no ser, 
no desejar, 
no amar, 
no tempo, 
na linha do tempo, 
no mapa da vida, 
no caminho longo ou curto, 
no mundo, 
nos momentos, 
no voar nas asas do sonho.
Cada sonho, 
cada acontecimento, 
cada viagem, 
cada rumo, 
cada encontro, 
cada prazer, 
tudo tem retorno, 
basta acreditar nos seeee's, 
sonhando e voando. 
 . 
by mghorta  ( mamas à solta )



13 de abril de 2017

O Amanhã!

Ainda bem que existe outro dia,
ainda bem que existe o presente,
ainda bem que existe outros sonhos,
ainda bem que existe outros risos,
ainda bem que existe outras mais coisas,
ainda bem que existe o amanhã. ..

by mghorta



Mentira.

Minha vida foi uma mentira
Baseada  em  segredos,
Amei, talvez sim talvez não
Surpresas, medo e desencanto.

Minha vida foi uma mentira

Aconteceu porque tinha acontecer
Fingimentos de paixões, morro
Expectativas de amores, desamor.

Minha vida foi uma mentira

Merda de vida, correu enredada
Vitórias nada, só desespero a preencheu
Surpresas, medo e desencanto.

Minha vida foi uma mentira

Coitado de mim, o outono aqui (morte)
Pobre vida a minha mentira
Dependente de risos, gestos e olhares.

by mghorta  (mamas à solta)




Sexuado Dilema!

Com os lábios 
Nas mãos 
Língua bifurcada 
Pele de pêssego 

Misture por instinto
Com aromas 
Sua aparência 
Desumanizado 
Sonhando animais sejam 

Chegar ao fundo
Sujos em lama 
A última loja é engolido 

Voar é impossível
Estes mortos agora 
Cuidados vampirescos  
Semear humidade 
Discrição e rigidez 

Preencha o sentimento
O amor está violando 
Na infância 
Pervertido e sujo 

Sem moral
Eu tento fazer 
A se ela 
Não quero ser 
Mais minha cúmplice.

by mghorta  (mamas à solta)


4 de abril de 2017

Tele-Transportado!

Como quem partilha o degustar de um Vinho,
como quem partilha o sabor de frutas,
como quem soletra os sons de musica,
como quem respira o Corpo Perfumado,
como quem desliza mãos pela pele aveludada,
como quem olha o corpo curvilíneo Sexuado,
como quem saboreia os beijos Dados,
eu queria estar naquele momento na Lua
nessa Lua Sensual onde ela mora!

Por fim e nesse preciso momento eu estava lá,
tele-transportado como matéria destinada.
Mas do que vale a matéria sem Sentimento?

by mghorta  (mamas à solta)




29 de março de 2017

Síndroma da Cor.


Quando nasci, era preto.
Quando cresci, era preto.
Quando pego sol, fico preto.
Quando sinto frio, continuo preto.
Quando estou assustado, também fico preto.
Quando estou doente, preto.
E, quando eu morrer continuarei preto !

E tu, cara branco.
Quando nasce, é rosa.
Quando cresce, é branco.
Quando pega sol, fica vermelho.
Quando sente frio, fica roxo.
Quando se assusta, fica amarelo.
Quando está doente, fica verde.
Quando morrer, ficará cinzento.

E vem me chamar de homem de cor ?

(Escrito por uma criança Angolana)



Teus Seios.

.
Teus seios são montes,
pele perfumada e macia
corpos colados e quentes
aureolas redondas e fortes.

São fontes de tesão,

não dá para esconder,
hirta-se quando toco,
beijo-as com prazer.

Minhas mãos as sentem

os bicos apontam o tecto,
ficou doido de tesão,
quando te vejo toda nua.

Pele seduza e calma,

uma prenda dos deuses,
dois diamantes luzidos,
de um corpo que é meu.
.
by mghorta ( diamantes luzidos )




27 de março de 2017

25 de março de 2017

Mulher Amada


A uma mulher amada
ditosa que ao teu lado só por ti suspiro!
Quem goza o prazer de te escutar,
quem vê, às vezes, teu doce sorriso.
Nem os deuses felizes o podem igualar.

Sinto um fogo subtil correr de veia em veia
por minha carne, ó suave bem-querida,
e no transporte doce que a minha alma enleia
eu sinto asperamente a voz emudecida.

Uma nuvem confusa me enevoa o olhar
não ouço mais,
eu caio num langor supremo,
pálido e perdido e febril e sem ar,
um frêmito me abala. .. 
eu quase morro. .. 
eu tremo. ..




Calorosos Momentos.


Na ponta dos meus dedos
o anseio era tanto em te tocar
que o medo tomava conta,
o momento era aquele 
que mais pedia que acontecesse,
deslizando suave ao ponto de levar
avante um caloroso acto,
acto de que o arrependimento
não tivesse lugar e prosseguirmos
com beijos,
caricias e apertos,
vontade de te desnudar
desconcertante momento 
para te deixar louca.

Na ponta dos meus dedos
o calor era tanto
que o fogo tomava lugar
querendo te invadir por completo
olhando nos teus olhos o desejo
de calorosos momentos,
gostaria te ordenar
ajoelhando-me
ao ponto de incendiar
esse corpo de mulher
como que jorrar lavas
de gozo, 
de luxuria, 
de satisfação.

Simplesmente 
e medrosamente
meus dedos tocaram
leve o pecado,
o resultado perdurará
nos calorosos momentos
em que esquecemos tudo
e na frente loucos
de gozo culminaremos
esquecendo tudo
na plenitude do prazer.


by mghorta  (mamas à solta)


Mulher Fogo.


És fogo mulher, 
tens calor na alma,
vestes teu corpo de sangue quente,
escondes-te de forma gelada,
dando a entender que nada te penetra,
mas teu calor se sente quem perto chega,
queimas quando beijas e tuas mãos são brasas,
foste feita de gelo e o fogo é tua companhia,
mulher de gelo, 
mulher de fogo,
duas formas em uma só pessoa,
não importa a melhor combinação,
importante é seres tu num só corpo,
presente para queimares ou gelares,
ambas as coisas me seduzem.

by mghorta (mamas à solta)



21 de março de 2017

Nunca Digas Nunca!


Adeus, sei que nunca mais me vais esquecer e até sofrer com as lembranças dos poucos (mas bons) momentos juntos, por mais homens que tiveste na vida, nunca tiveste um como eu, não sou único, sabes porquê?
Toda a mulher que passe por mim, jamais irá nem conseguirá me esquecer, não sou convencido, mas ao olhar para trás e ver o que na vida decorreu... todas ficaram ligadas a mim, sempre!
Sou metade homem, a outra metade é demoníaco, mas essa metade é melhor que dois homens juntos.
Portanto, nunca digas adeus, poderás querer voltar!

(mamas à solta)


Adeus!


LÁGRIMA MAIS TRISTE DE UMA PARTIDA,
É SENTIR TEUS LÁBIOS DIZEREM 'ADEUS',
SEM TEU CORAÇÃO O MANIFESTAR!


by mghorta




Desenvergonhada Anónima!


Ó minha desenvergonhada
teus sovacos selvagens
como ramalhete floridos
em cama acetinada aluada
meu sonho é adormecer
nessa vasta cabeleira
depois de aliviar o tesão.

by mghorta  (mamas à solta)





16 de março de 2017

Partida!

Assisti à tua partida resignado
como um pássaro que deixou de voar,
como se ficar sem ti não fosse pouco,
só o relampejo de dia chuvoso no ar.

Te vi andar sozinha pela estrada
oposta de um caminho que não sabias andar
quando vinhas me encontrar acompanhada
para que tuas dores em meus braços repousar.

Só agora me apercebo assustado
que há muito perdi o rugido
deste verso sem rima aterrorizado;

Em que fiquei prostrado contemplando
os risos, os sons, os espasmos do teu descaso
em meu canto como que procurando ao acaso
as razões de tua partida naquele dia chuvoso!

by mghorta


15 de março de 2017

Nada é como Antes!

Acordo sozinho
no meu quarto escuro
pela janela vejo luzes lá fora
porta meia-cerrada
luzes apagadas
aos poucos acostumo-me
à solidão ao silêncio
respiro ofegantemente
meu coração fica surdo
o frio é brando. ..
desmaio entretanto!

O tempo corre depressa
cresce a barba
teimo em escrever
tretas da vivência
chorando lembranças
vejo meu corpo mutando
vejo meu corpo lutando
tento acordar
mas que sonho merdoso!

Acordo sozinho
estou plenamente sozinho
minha alma vagueia pelos cantos
minha pulsação silencia-se. ..

Mas que tortura a minha
física ou psicológica
é aquela que possuo
nada é como antes
perdi as forças de antes. ..
Choro!
Morro nos Entre-Tantos!

by mghorta  (Nada é Como Antes)