27 de julho de 2016

Foda-se que é anónimo!



Desejo que tudo se foda,
por isto e por aquilo,
que se fodam todos,
não me fodam mais,
se faço porque fodo, 
se escrevo porque fodo,
não escrevo  fodido estou,
quero é que todos se fodam,
a mim não me fodam mais.
Anónimo é fodido,
anónimos se fodem,
anónimos guerreiam em vez de foder,
mas a mim não me fodam mais,
fodam-se mil vezes.
Centenas de leitores,
milhares de olhares,
só me fodem os anónimos!
Negros e negras fodem,
brancos e brancas fodem,
amarelos e amarelas fodem
ricos e pobres fodem,
gritam e rejubilam a foder,
a mim só me fodem os anónimos,
fodam- se que é demais!!!

by mghorta (citando by mghorta)


Fronteiras!


O amor não tem fronteiras,
imaginar e explicar é dicionário,
mas como tudo tem explicação,
se existe vazios sem razão,
estou cansado de ser iludido,
meu ser e meu modo de estar,
só encontra fim quando te encontrar.

Se estás sozinha e com medo de sonhar,
o amor não tem fronteiras e isso posso afirmar,
se esperas estar a meu lado,
não seja o acaso a tomar conta do sonho,
deixa-te princesa minha de sonhar.

Foi na Internet que te encontrei,
vieste de mansinho e eu me entreguei,
sabia que não podias falar,
mas foste tu que obrigas-te a declarar,
dizias-te apaixonada e disposta a entrega,
não vou pensar duas vezes, quero te encontrar.

Hoje até os dias são difíceis,
saudade, carinho e até do beijar,
pior que tudo é não ser fácil de aceitar,
enfrentamos a distância e estatutos,
no entanto e na simplicidade
espero dar conta do recado.

O amor não tem fronteiras,
de certezas os sonhos falam,
que na verdade somos dois apaixonados.

by mghorta (citando by mghorta)


Cansado. ..



... tem dias em que estou super cansado, stressado e quando tento pegar um sono repousante, eis que toca o telemóvel, já me habituei a desligar, mas hoje ficou comigo e zás-trás-pás, dois anónimos e um identificado. 

Poderia ser alguém que precise de ajuda, mas porque eu devo ajudar quando eu sou um dos muitos que deviam ser ajudados e ando a penar?

Pensava eu, tomei as drogas e vou dormir como um anjo, recarregar as baterias e amanha que promete estar sol de tarde dar uma voltinha para aí e recordar; ''que é que você vai fazer domingo à tarde...''

Pois não, estou pior que um jumento desencarreirado que fiquei quase para matar alguém, e só não mato porque não tenho nada à mão, o desgraçado do télélé é que pagou as favas que foi parar ao chão.

Mas juro se me ligarem amanha de novo cedo, prometo que fico sem dó e dou um tiro em alguém...





Sanidade!


Carrego em mim os genes da leviandade, nos ombros o peso insaciável de amar, o constante desejo de ser preenchido, completo, seduzido.
O mundano parecer quando a entrega é total, ao fugir da noção da realidade, com o passar do tempo solto as amarras da vida para enterro de paixão e tesão.
Tenho em mim os genes do amor, adoro corpos estropiados pelo sexo, os fortuitos momentos do pecado sem freios e pudores.
Amo corpos sexuados, adoro o odor característico que se solta da pele suada das amantes. Amo os corpos perdidos em partilha, desprovidos, perfumados, nus, justificados pelo desejo, opulência e volúpia.

''Tornei-me insano, com longos intervalos de uma horrível sanidade.''
                                                                                                         (Edgar  Poe)

by mghorta (citando by mghorta)


Amantes Anónimos


Lembras-te daqueles dias, em que fomos uno, nos lugares menos pensados, aqui e acolá?

Éramos uno e isentos da merda que o mundo nos sujeita, corpo a corpo, bocas coladas, mãos e pernas tocadas, diante o Sol e perante a penumbra do anoitecer, em silêncio absoluto como só os amantes conhecem a essência desses momentos...

Nas trocas de confidências amorosas, manuseando os dotes corporais, éramos os seres mais Anónimos do planeta.

Se o mundo acabasse nesses momentos, nem Deus nos encontraria naquele ninho de luxúria, tal era a cumplicidade das nossas almas na quietude do transe dos nossos corpos Sexuados!!!

by mghorta (citando by mghorta)


18 de julho de 2016

Saudade!


Fiquei com saudades tuas, 
vontade de escrever sobre ti,
mas o texto ficou inacabado,
bem como a nossa história.

by mghorta


11 de julho de 2016

Olhos Nus!


Teu corpo nu
meus olhos vestidos
Teu corpo nu
meus olhos enlouquecidos
Teu corpo vestido
meus olhos nus.

Olhos Nus


Repentes!


Não somos mais que 'repentes',
tão depressa estamos juntos,
como de repente estamos sós,
no repente perco a Identidade,
como não me sinto à vontade,
que se quilhe a multidão.

De repente com um simples abraço,
tu me levaste ao espaço. ..
Esse repente estremeceu tudo o Quem Sou!

De repente tu e eu somos uno,
nos pensamentos e nos corações,
esse repente é uma tremenda Emoção!

No repente não vejo ninguém à frente,
a Felicidade repentinamente é total,
de tal forma que nada é igual. ..

Repente-mente é uma mera questão,
a forma que teu coração explode
e tudo isso por termos uma Ligação. ..

Mas como tudo é um repente,
tem um início como um final,
é uma tremenda tristeza
quando Caio No Real!

Como isto dói,
sofre-se e sente-se,
fico com a certeza na mente,
que virão outros 'Repentes'. ..

by mghorta



Nasci nu. ..


. .. sozinho e pobre,
mundo testemunha a minha inocência,
com dores  cruz da vida,
e coroa de espinhos,
bastava-me o carinho humano,
clemencio do mundo amor,
recebo desalinho,
vil servidão ou demência,
na minha liberdade corro meu caminho,
redescubro quem me cobre,
rejubilo de alegrias,
enlouqueço com jeitinho,
mas morro nu e nobre.

by mghorta (Nasci Nu)



9 de julho de 2016

Idiota!


Posso brincar com tudo, 
com as palavras que escrevo,
com as moedas que perco,
com os sentimentos que tento esconder,
dos olhares de quem me olha,
com meu lado de criança,
com a maldade que não tenho,
com a inocência que mostro,
talvez brinque com as paixões
com a indecência das mesmas,
talvez eu seja um brincalhão
sendo rotulado como idiota,
covarde sem reacção,
rosto carregado de rugas sérias
brinco com o tempo curto
com ele o mistério do futuro,
acorrentado brincando com o vento,
talvez brincando em demasia com tudo!

by mghorta

5 de julho de 2016

Identidade!


Perdi minha identidade, 
de cavalheiro e de homem,
vesti-me de mil fantasias,
perdido nos desejos como de beijos,
inocente por vezes,
malicioso a tempo inteiro,
apaixonado tantas vezes,
carente de muitas caricias,
desejado bem como odiado,
sou o que sou e por vezes 
o que querem que eu seja,
homem ou garoto,
querendo mandar e não dominado,
transformado em outro ser,
não sei a minha própria identidade,
perdi a felicidade
em querendo saber quem sou!

by mghorta (mamasàsolta)