1 de abril de 2016

Curta Metragem!


No carro dele, enquanto suas vozes preenchem o ambiente suado com palavras promissórias de novo encontro, ela mantêm-se segura e de mãos sobre os joelhos dele demonstrando insegurança pelos caminhos percorridos, trajectos que para ela são novos e sua mente vagueia pelos lados como se interrogando se será aqui ou acolá que se enrolam!
É então que, as mãos se cruzam entrelaçadas como verdadeiro momento de possíveis amantes, trémulas mas conscientes do caminho percorrido, seria o começo de uma outra vez, e outra vez e quem sabe se de muitas outras vezes. ..
Nada aconteceu, ambos estavam tão absortos do momento que ele apenas olhava o caminho que mais parecia curto, ela uma eternidade, os leves toques de ambos mais parecia que eram amantes à muito, os olhares se trocavam subtilmente no espelho como interrogando se paramos ou prosseguirmos no trajecto do amor ou do sexo. ..
Ficou apenas por ali, ambos sabiam que o momento não era apropriado, seria preciso tempo e espaço, tempo para que a atracção virá-se  amor, ocasião e mais momentos certamente ficaram por promissórias no ambiente suado do carro dele.
Na despedida ficaram os desejos selados por curtos beijos, leves de ansiedade de novamente a promessa de um outro encontro para que se culminasse mais do além que apenas a troca de uma amizade longínqua que os tempos trouxeram à ribalta, até logo amor.

by mghorta








Sem comentários:

Enviar um comentário