29 de abril de 2016

23 de abril de 2016

Ajoelho. ..


A ti me ajoelho e suplico,
te diluo nesse ritual secreto,
sei de ti quando te beijo,
conheço tuas dobras e bordas,
onde aconchegas meus sonhos
acomoda-te  nas minhas ancas
por nada de ti me defendo,
apenas mesmo a ti pertenço.

by mghorta (a ti me ajoelho)


Esse desdito Tempo!



Com o Tempo me apercebo que para ser feliz com alguém, é mesmo não ter que precisar dela.

Percebi também que aquela que pensei amar (julguei amar) e nada quer comigo, não é definitivamente o 'alguém' da minha Vida. 

Desdito Tempo ensina-me aprender a gostar de quem me cuide, principalmente que também me goste!

O segredo não é correr colhendo rosas, é também saber cuidar do jardim no emaranhado espinhoso.

No final de contas, saberei achar quem estava procurando, talvez a mesma que me estava querendo me encontrar através do Tempo! 

by mghorta


19 de abril de 2016

Tuas Mãos!


Não sei te tuas mãos me tocaram,
tanta leveza que nenhuma marca ficou,
tão leves que pela certeza foi sonho,
ou apenas sonhei que as queria na minha pele,
árido de tuas carícias,
ávido de tuas mãos,
não sei se foste tu que escreveste
salivando poemas no meu corpo nu,
poemas serpenteando como rios,
segredando e ao mesmo tempo molhando,
nunca tinhas dito antes estas palavras,
não sei se eram rios ou apenas sonhei,
deserto estava eu que tua saliva
não fossem só meras palavras,
tão ténue e tão breve,
fiquei sem saber se elas me tocaram
ou se apenas sonhei com tuas mãos.

by mghorta (mamasÀsolta)




Por Aqui ou por Acolá!


Por aqui ou por acolá
um Quebra-Cabeças perfeito,
é o meu tempo sem nada ter feito,
cada peça como puzzle encaixa a seu tempo
acertadamente ou erradamente. 

Quantidade de peças completa,
nem mais uma ou menos uma,
todas elas tem o seu acerto
tal e qual a devida Importância.

Nas curvas e contracurvas
da Vida vem os dias e noites,
a ultima peça vai (des)aparecer 
na hora que meu pé vá 
por aqui ou por acolá.

by mghorta


18 de abril de 2016

Querida Mãe.


Mãe, tu que me guardaste em teu ventre com todo o amor me aqueceste, me protegeste até que eu ramificasse para a vida adulta, o que mais poderia desejar de ti Querida Mãe?

Me deste um pouco de ti, e já crescido talvez não te desse o prazer de te conhecer por inteira querida mãe!

Em teus braços fui amado, acalentado com tua dedicação e com todo o carinho de uma Mãe.


Meu coração por ti, todos os dias relembra o dia em que partiste para não mais regressares, uma viagem em que todos estamos inseridos, mas nunca partiste de vez, porque meu coração e  minhas lembranças te recordam como a Mãe que sempre desejei que fosse eterna, a eternidade de tuas lembranças estão patentes em meus dias porque  sou aquilo que me ensinaste, muitas vezes com sorrisos, outras vezes com dores e outras com choro.

Oh! Maravilhosa criatura que onde estiveres lá no céu brilhando como que ainda me protejas, que mais poderia eu querer Querida Mãe?


Rogar com todas as forças que ainda me resta, serão poucas para pedir a Deus que abençoe os meus dias para que te possa sempre te recordar para todo o sempre aquilo que foste para mim em vida Querida Mãe!

Poderia estar aqui escrevendo muito mais, muito mais mas não tenho palavras para descrever aquilo que foste para mim, até porque  talvez nunca tivesse sido para ti o que deveria ter sido quando precisaste de mim, mas fiquei com a ideia que cumpri a minha obrigação de filho para ti, perdoa-me se alguma vez deixei de fazer o que deveria ter feito melhor querida Mãe.
Um até já Querida Mãe.

by mghorta


10 de abril de 2016

Por Morrer uma Andorinha!


O que te fizer feliz, não seja uma habituação para ti, revolte-se as vezes que for necessário.
As esperanças de seu coração devem alagadas, não se afogue mantendo-se à tona das águas.
Voltar as vezes que forem preciso, regresse!
Se precisar de seguir, aperceba-se disso e siga! 
Comece de novo quando perceber que errou!
Prossiga seus trilhos quando tudo estiver a dar certo!
Mate saudades quando as sentir!
Não se perca quando perdeu um amor! (já dizia o poeta: 'por morrer uma andorinha. ..')
Ganhe forças e segure-o quando encontrar esse Amor!

by mghorta 


9 de abril de 2016

Calorosos Momentos.


Na ponta dos meus dedos
o anseio era tanto em te tocar
que o medo tomava conta,
o momento era aquele 
que mais pedia que acontecesse,
deslizando suave ao ponto de levar
avante um caloroso acto,
acto de que o arrependimento
não tivesse lugar e prosseguirmos
com beijos,
caricias e apertos,
vontade de te desnudar
desconcertante momento 
Para te Deixar Louca.

Na ponta dos meus dedos
o calor era tanto
que o fogo tomava lugar
querendo te invadir por completo
olhando nos teus olhos o desejo
de calorosos momentos,
gostaria te ordenar
ajoelhando-me
ao ponto de incendiar
esse corpo de mulher
como que jorrar lavas
de gozo, 
de Luxuria,
de satisfação.

Simplesmente 
e medrosomente 
meus dedos tocaram
leve o pecado,
o resultado perdurará
nos Calorosos Momentos
em que esquecemos tudo
e na frente loucos
de gozo culminaremos
esquecendo tudo
na plenitude do prazer.


by mghorta  (Calorosos Momentos)


1 de abril de 2016

Teu Karma!


Negas que me desejas,
pode negar!
Teus sonhos sou eu,
tuas Entranhas clamam meu olhar,
sou eu que te dou gozo
quando te encho de beijos.
Tua satisfação é ser eu
realizar os teus mais secretos desejos.
Mesmo que o negues,
sou teu Karma,
teu vício, 
teu pouso suave,
teu menino,
tua loucura,
teu guia.
tua secreta Paixão.

by mghora (Teu Karma)


Zomato

PONTO FINAL.


Pensei que me conhecias, mas no fundo não passou de uma simples ilusão minha e tua, não te posso culpar por isso porque ambos somos vítimas de um sistema de carências, talvez eu não te mereça ou até tu achaste que seria possível acontecer, não tenhas pena de mim como pessoa, como deficiente, tem pena de ti própria porque a oportunidade surgiu uma vez e deixou de ter uma segunda vez.
Podia até ter acreditado após todo este silêncio, mas apenas não quisemos prosseguir, assim aquilo que dissemos e ficou por dizer, criou espaço para mais outrem, talvez me engane mas sou impotente para ler tua mente, teus pensamentos e tuas reacções.
Será que apenas pensaste que o coitadinho precisava de ti, pensaste alguma vez que eu era um ser humano, ainda por aqui vou indo, ou simplesmente ignoras o que aconteceu somente porque aconteceu?
Surpreendeu-me a maneira de como pude acreditar, afinal não sou mais que um objecto usado e jogado na profunda e ignóbil estado de vegetal que o ser humano se afunda, mas quero que saibas que vivo, estou vivo e sairei de outra e mais outra queda porque sou um lutador nato.
Nada te pedi, não te exigi somente Tempo, Tempo aquilo que não conseguimos lidar, pois os ponteiros avançam vertiginosamente com a corda dada sem retorno algum, para tal prefiro viver com a realidade de aquilo que sou, um simples deficiente inútil aos teus olhos. 
No fim de tudo, sei que errei, errámos ambos em acreditar em nós, magoámos um ao outro, quebraram-se os corações, não te posso pedir perdão nem tu a mim, porque ambos errámos, e é com os erros que aprendemos, ambos estamos vivos e ambos sabemos o chão que pisámos, voltar a pisar os mesmos solos não está nos meus planos, obrigado por te silenciares e até um longo silêncio que nos fará muito bem, eu vivo com as memórias, os momentos que viraram história, sim no final de contas tivemos as nossas histórias nos nossos momentos. 

by mghorta


Curta Metragem!


No carro dele, enquanto suas vozes preenchem o ambiente suado com palavras promissórias de novo encontro, ela mantêm-se segura e de mãos sobre os joelhos dele demonstrando insegurança pelos caminhos percorridos, trajectos que para ela são novos e sua mente vagueia pelos lados como se interrogando se será aqui ou acolá que se enrolam!
É então que, as mãos se cruzam entrelaçadas como verdadeiro momento de possíveis amantes, trémulas mas conscientes do caminho percorrido, seria o começo de uma outra vez, e outra vez e quem sabe se de muitas outras vezes. ..
Nada aconteceu, ambos estavam tão absortos do momento que ele apenas olhava o caminho que mais parecia curto, ela uma eternidade, os leves toques de ambos mais parecia que eram amantes à muito, os olhares se trocavam subtilmente no espelho como interrogando se paramos ou prosseguirmos no trajecto do amor ou do sexo. ..
Ficou apenas por ali, ambos sabiam que o momento não era apropriado, seria preciso tempo e espaço, tempo para que a atracção virá-se  amor, ocasião e mais momentos certamente ficaram por promissórias no ambiente suado do carro dele.
Na despedida ficaram os desejos selados por curtos beijos, leves de ansiedade de novamente a promessa de um outro encontro para que se culminasse mais do além que apenas a troca de uma amizade longínqua que os tempos trouxeram à ribalta, até logo amor.

by mghorta