20 de dezembro de 2015

A Fulana!


Nunca disse que fosses fulana
não sou parvo ou descarado
que me ponha aqui a inventar!

Se eu disse que tu eras fulana
nunca li ou soletrei teu nome,
ou até mesmo ouviste eu murmurar
em teus ouvidos em pleno silêncio.

É feio jurar e tomar do teu veneno
que um dia te ouvi gritar em pedido
para que eu te chamasse de minha fulana.

Juro-te pelos meus gordos gémeos
juro-te pelos momentos de tesão!

O que de facto disse é pouca monta
que de todos é conhecido
que até mesmo tu não negarás
somente disse que és uma simples fulana.

by mghorta (citando Mamas à Solta)



Sem comentários:

Enviar um comentário