29 de outubro de 2015

Felicidade!





De FRASES


Oremos!


Pai nosso que estás nos céus,
santificado seja o Vosso Nome
venha a mim o Vosso Reino,
seja feita a Vossa vontade,
assim na Terra como no Céu,
o pão nosso de cada dia me dais hoje,
perdoai as minhas ofensas assim como 
perdoarei a quem me tem ofendido,
não me deixes cair em tentação,
mas livrai-me do mal.
Senhor tudo isto te peço
reconhecidamente que sou imperfeito,
no âmbito da minha imperfeição 
reconhecendo a tua benignidade imerecida,
peço-te que ajudes todos aqueles que sofrem privações,
meus queridos familiares e todos os que me amam,
ajudai os enfermos e todos aquele que se esforçam 
por serem teus súbditos,
reconhecendo eu que nada mereço devido ao pecado,
mas tudo isto peço em nome de Aquele que nos enviaste
para nos resgatar do pecado e da morte,
teu amado Filho Nosso Senhor Jesus Cristo.

by mghorta


De FRASES

25 de outubro de 2015

Noites de Solidão.


Nas noites de solidão,
reencontro os medos
dos fantasmas do passado,
embora mesmo que recentes,
estão sempre a meu lado.
Embora eu não queira,
eles retornam sempre quando leio
algo de aquilo que escrevinho,
desalinhando a minha mente,
remexendo teimosamente
revivendo o passado.
Alegres ou tristes,
são e será sempre recordações,
mas não os quero de volta,
são fantasmas mortos do passado.
Se meu coração se amedronta
com o passado de recordações
as noites de solidão me apavoram. 

by mghorta


De FRASES

24 de outubro de 2015

Saudade!


Mentiria
se não dissesse
que é saudade.

Tem vezes
de tantos seres
nas minhas lembranças.

Sentes
quando tendes
seres como rastos.

Corpo treme
quando o tempo
teima tremer também.

A voz geme,
o vento é leve
quando o sonho cisma.

Olhares o mar
verás meu olhar
na ânsia de te sentir.

O ondular
parecido com amar
é como um partir. ..

Saberei
um dia caber
em ti sem fim!

Se for mentira
se for saudade
morrerei sim um dia.

by mghorta


20 de outubro de 2015

Felicidade!


'Não gosto provar o fel das minhas profundezas,
que me fazem contorcer de dores,
ficarei feliz todos os dias até incomodar os outros,
pouco me vai importar,
já que tantas foram as vezes do incomodo
superficial e indigesta dos outros.'

by mghorta   (citando Clarice Lispector)


Sorte nas Flores!



De FRASES

19 de outubro de 2015

Lembranças.


Dou comigo agitante em escrever algo, talvez um texto, um poema ou frase, porque de poema nada me ocorre, dado que só me vem à mente lembranças, lembranças de. ..
Não eram preciso ser lembranças das que fazem sorrir, muito menos as que me fizeram feliz, mas as que teimam chegar são as de lágrimas, lágrimas que limpei e não quero voltar a limpar.
Porque não aquelas partilhas em comum, partilhas que falam no silêncio, aquelas que confiei e das que fui cúmplice, as mesmas que falam, falam e falaram de nós, as partilhas que escutei, segredei e guardei nas minhas memórias, lembranças de libertação e de mágoas. ..
Podia ser um poema daqueles que escrevo nas noites de solidão, só que nada me ocorre e que vem do coração é a vontade de apagar, apagar de uma só vez o que nele existe, mas deixará de existir porque todas as lembranças, partilhas e cumplicidade me criam mágoas e lágrimas.
Hoje, podia escrever memórias que podiam provocar mudanças, mas nada ocorre nesta mente ferida, e antes de atracar no cais, eis que me revejo navegar na tempestade das lembranças tumultuosas que me fizeste relembrar, as que me ditam de uma só vez:
APAGA TUDO DE VEZ.
'Memórias são como livros escondidos em pó. ..' Lembranças que ficam na prateleira, partilhas que ficam no tempo que fizeram parte de nós, mas ficaram por ser pó, acabando por se desvanecer no passado, nem em silêncio quero voltar de novo ao livro que guardo na prateleira da história.
Recado, este texto não sei se vai ser lido, mas escrevi com sentido que um dia o livro será espanado do pó e lido.

by mghorta


De FRASES

18 de outubro de 2015

Amigos!



De pantufas nasceu, conversa deu azo a  conversas, teclas escritas e quadradinhos partilhados, depressa passamos amigos...
No  entanto o tempo passou, a amizade virou paixão, paixão essa que não imaginaria que daria lugar a encontros, encontros proibidos e partilhados, intensos e húmidos que não mais aconteceu porque ocasião não era lugar para extravasar a paixão acesa nos nossos corações. 
Tu tens um pilar, eu também, o que vamos fazer com este sentimento maluco que invadiu nossas vidas como furacão devastador?
Tropeço e caio, mas não sei se me levanto de novo, porque não tens força para tudo largar e seguir tropeçando e caindo juntamente com alguém demente assim como eu.
O medo, a incerteza misturada nesta paixão a dois falam mais alto para seguir o trilho do pecado e dos frutos apaixonados, porque afinal de contas... AMIGOS AMAM-SE E TAMBÉM SE DESEJAM.
Sei que me amas e é reciproco, mas o tempo, esse que nos separa o mesmo que faz milagres e desastres, talvez ele seja o responsável por tudo  e quem dirá que não será nosso amigo também!
Na certeza porém, e digo em toda a verdade, meu    só tem um espaço.
.

17 de outubro de 2015

Desencontro.


No contraponto do eu,
poderia ser teu,
mesmo querendo ou não queira,
sem eira nem beira,
poderia ser teu
não deixando de ser eu,
abandonado no fim
olhando no breu
desse desencontro que nos sucedeu. 

by mghorta

16 de outubro de 2015

Pensamentos.


Tenho uma multidão de pensamentos, sempre que tento resumir cada um deles, eis que surge a tua imagem, e nela está estampada a saudade, o amor, o carinho e lembranças que foram os momentos que partilhamos um com o outro, fugaz ou curtos, as marcas ficaram.
Quer eu queira ou não, fazes parte de tudo um pouco, a saudade é sempre aquela vontade de novo estar contigo, por menor seja a ocasião.
A saudade é tanta que o simples ouvir tua voz melodiosa ao ouvido seria o bastante para de novo sentir-me vivo.
O amor que senti por ti foi tão difícil, que até por mais que eu queira não chegou para acreditares, sabia que não iríamos a lado algum.
O carinho mesmo que curto, foi tudo aquilo que me deste, ficaram por promessas, são longos os dias que eu fico ficando ouvindo uma multidão de coisas que não passaram de pensamentos e planos por concretizar.
Lembranças, essas são as que insistentemente me visitam todas as noites de vespertina insana, cada segundo que passamos, eu sempre os escrevi, porque tudo a teu lado parecia tão real.
Depois de todos os  momentos, tornou-se auspicioso ficar sem ti, dado que os pensamentos se repetem tenazmente para meu sofrimento, e cada vez que acordo, só quero mesmo é repetir mais, mais uma vez e outra mais outra até que fique saciado.
As lembranças de tudo o que prometemos um ao outro, é senão a nossa história da qual nunca cansarei de recordar, hoje, amanha e até aos final dos meus dias.
Mas como em tudo, tem o lado bom e lado mau, o bom estão nas lembranças de meus pensamentos, o mau reside na distância de tanta saudade, agora que nada mais resta, vou tentar adormecer sem essas lembranças, mas sem dizer que é tão difícil te esquecer, meus pensamentos e coração insistem é em querer-te mesmo apesar de tão longe estarmos, se servir de consolo, acredita mesmo que é toda a vontade de meus pensamentos.

by mghorta



De mixordiapoetica

15 de outubro de 2015

Reflexão!


Jamais teria a intenção de acabar com um sentimento que me mantêm inteiro por todo este tempo, porque sempre que abro algo eu vejo-te perto de mim, como que colada em mim, e todas as coisas mudam de figura, tudo se torna mais claro e os dias correm melhor de feição.
Fico com a certeza de que quando eu preciso de ti, sei que do outro lado estarás sempre pronta para me ajudar, nem que seja só por dizer um simplesmente ''OLÁ''.
Todo esse apoio mesmo que seja virtual ou presencial, será sempre o melhor para corrigir meus erros, fazendo que supere ou contorne as dificuldades com mestria que tanto me ensinas com as palavras que trocamos, embora poucas tenham sido ultimamente.
Quisesse eu desenhar uma criatura tão perfeita com tu, não teria lápis de carvão que o fizesse.
Obrigado por existires na  minha vida.

by mghorta



De FRASES


14 de outubro de 2015

Ao Acaso


O acaso é tanto como marés,
sobe e desce mediante as fazes da Lua,
tal como eu subo e desço,
vou acolá e volto numa noite clara
ou desço noutra noite escura sem luar,
tão clara como os sonhos ou planos
incertos quanto aos anos que
teimam por suceder no escuro,
parecidos como berlindes jogados
dividindo os espaços do meu peito
na inexacta incerteza da minha alma
num pantanal de saudade (me atolo)
dos momentos de felicidade,
aquela felicidade inocente e pura
ao ponto de não querer ou ver
porque razão de tanto amor
que não teria perdão,
restos que residem em mim não é por acaso,
mesmo que caminhando
subindo ou descendo no inferno do descaso,
sendo assim que todos os meus erros
na maioria causados por atrasos
em chegar tarde às partidas,
chegando aos velórios das histórias 
sempre no tempo devido,
dado e ponto assente que tudo morre,
ficando por fim a memória nas cinzas ao acaso.

by mghorta


De Homem

11 de outubro de 2015

Passado.


Preocupo-me com coisas do passado,
escrevo a realidade sem tom de poema,
ou que dos escritos renascessem folhas de vida,
com o castanho singular do súbito Outono.
Sobreponho no terreno a linguagem,
tiro palavras dentro do que penso,
exalo o sentido de aquilo que faço,
como que elas pudessem ainda viver,
tal como peixes verbais no aquário do ser.
Verdade das palavras não nascem ao acaso,
nem com elas vem o peso da matéria,
quanto muito, descem ao nível dos sentimentos,
bebendo também o mesmo sangue
com que se faz viver as emoções.
servindo de alimento a outros que as lêem
como que se nelas estivesse toda a verdade.
Vejo-as caírem-me das mãos como areias,
tento apanhar fragmentos do tempo,
da vida que se perdeu nos momentos que fomos,
vou atrás deles mergulhando nos fundos 
movediços a que se dá pelo nome memória.
Será isso poema?
É então que surges,
teu corpo confunde-se com as palavras,
descreve-se em tons de poesia que te descrevem,
serpenteando as letras do verso.
Retirando-te do palco da estrofe,
chamo pelo teu nome sussurrando com medo,
apenas ouço o vento pelas ranhuras das portas e janelas,
sibilantizando  frases e prosas,
por entre recordações inúteis
que me separam de ti.

by mghorta



Indomável.


O investigador por fim,
cansou de procurar e investigar
nos corações delas,
tinham tanto de belas e frias,
distantes e matadoras,
parecidas com aquela
que o matou sem apertar gatilho,
fosse na noite escura
ou no descampado do dia,
é hoje um morto
parecido como um maltrapilho,
baleado no peito
vai observando belas meninas,
as mesmas que passaram pela sua vida,
aquelas que deixaram marcas,
marcas de nunca o ter amado,
pois seu coração massacrado
não por aquela mulher
mas pelas ausências que ela causou,
enfim... aquela mulher
com olhos cores de céu
pois o reflexo dele estavam neles,
pois era o céu que ditava a cor
do amor estampado nos olhos em dias claros
em que só o cheiro mostrava
a verdade do sentido de ser amado
por um amor indomável.

by mghorta


4 de outubro de 2015

Prelúdio de Amar.




És como folhas rubras,

tal como árvore outonal,
que tens presa nos teus lábios,
marcados por mordidas,
trincas o luar,
beijos fogosos e sedentos,
num prelúdio de amar.

by mghorta  (citando mamas à Solta)








Para que Sofrer?

CTRL + ALT = DELETE


Hoje é Domingo,
de novo mês e eu sou novo eu,
terminado o Verão, chegou o Outono,
com este veio o cheiro da solidão.

Por onde andei todo este tempo,
o que fiz em prol de mim?
Que histórias terei para contar!

Apenas sei que existi,
sem alegrias e com dores,
decidir o que vai ser no futuro,
sobre por onde passarei ou o que farei,
aí vai ser preciso ter coragem para decidir.

Em face dos avanços e recuos,
me perco, me reencontro,
me desfaço ou invento,
circulo sem motivação,
afinal de contas o que vou querer!

Confuso, louco,
sou tanto paixão como frustração,
dasss como ser feliz além de trabalho,
dá em loucura.

Fiz e sinto a sensação que nada fiz,
silêncios e mudez em meu redor, 
não vou querer mais,
olho-me e vejo-me abandonado,
recuos sem volta e não sei para onde vou.

Forças para ir com o vento,
não morra em mim o desejo de voar,
sou ciclo intermitente,
fica a vontade de recomeçar,
sejam quantas vezes eu precisar.

by mghorta