29 de junho de 2015

Transparências.


Sob o céu acariciei teu corpo, por mais frio que estivesse, senti teu calor fluir de tua pele, vi o vapor sair de tua boca como suspiros, senti a pele de teus peitos arrepiados, nada mais no mundo seria mais excitante do que aqueles Momentos.

Tua Pele reflectia sensações que faziam inveja às nuvens que nos observavam, o cheiro do chão molhado misturado com nosso odor nos enlouquecia, as respirações confundiam-se com os batimentos de nossos corações, como se perdessemos o fôlego por momentos.

O silêncio era nosso amigo, nossas vozes com volume baixo murmuravam promessas de amor, minhas mãos percorriam teu corpo, puxavam teus cabelos com caricias, enquanto as bocas se encontravam numa linguagem que só nós entendemos, de pescoço desprotegido para Mordidas de paixão, nossos gemidos despertavam um sentimento até então desconhecido em nós, num embriagado cheiro, viciado em gostos e atordoados de tesão, sentia tua humidade como nunca antes, não éramos nós mas sim somente eu e tu.

Abraçamos-nos apertados um contra o outro, nossas mentes silenciavam-se em transparências, as vozes mudas que o mundo não decifraram, Unhas Vincadas que deixaram marcas, não despegámos, sem correntes estávamos lá, dois corpos com almas uno, amarrados pela essência do prazer.

by mghorta

Sem comentários:

Enviar um comentário