8 de maio de 2015

Vivi Grandes Histórias.



Já vivi grandes histórias, tive milhares de aventuras, fui um livro com longos capítulos, fiz versículos curtos mas bem sucedidos, outros foram simples prefácios não tão interessantes.


Não jogo fora ou menosprezo os casos que me fizeram feliz, porque foram marcantes e no momento foram importantes, ficam registados na memória que nem a borracha apaga como simples riscos com erros. Por exemplo, os  momentos passados à chuva e enevoado que embora curtos foram fogosos e terminais ao ponto de muitos aiiii'sss se soltaram no espaço curto mas habitável. Foi uma viagem que veio como furacão, soltaram-se as roupas e as mãos fizeram as delicias de corpos, momentos que ficam guardados num cantinho chamado altar de minha alma, lugar restrito.


Posso recuar no tempo todas as vezes, viver hoje com vista ao futuro, mas olho e vejo que sei está lá na memória de um livro por ainda escrever.


Não foi tudo aquilo que já tive, vivi paixões platónicas e impossíveis, sentado esperei por carinhos, esperei ligações como pedido de socorro, sorrisos doces ou gestos românticos ao acaso, vivi o clássico, o incoerente em que não passaram de palavras amorosas sem serem solidamente firmadas na realidade. Tive ocasiões em que somente as migalhas de relacionamentos curtos foram alimento esporádico, quis tudo isso esquecer por não deixaram de ser cópias e repetições de paixões mal sucedidas.


Mas...
...mas vem o dia em que algo acontece, sem querer o alheio arrebata o altar, não marcou hora para entrar, entrou e ficou lá, meus caminhos tropeçaram nele, e quanto me apercebo vejo que estou de novo arrebatado por um amor que ficou lá, degrau a degrau ele sobe e vai morando no recôndito do meu ser, não houve festas, não teve jantares ou almoços esbanjados, foi um vulcão que entrou e insiste morar lá, mesmo que outros compromissos eu assuma, ele foi forte e teimosamente não quer sair do seu espaço, veio do nada, esse sentimento é diferente, as mágoas do passado vieram juntos e compartilho a tristeza e as alegrias de hoje.


Quão grande é esta história que seus capítulos e fascículos ainda estão para culminar num futuro risonho, amoroso e sem preconceitos, é o amor da minha vida, quiçá até quando longe mas presente.


Mentiria se não esperasse por ele, imaginei-o assim simples e concreto, único e incomparável, sem vaidade e luxurias, simples mas pleno e completo, tê-la a meu lado não passa de deixar de ser sonho, mas quero um dia acordar de verdade e ter seu corpo suado e amado a meu lado como que um culminar de histórias vividas mas reais.

Hoje sim, poderia citar todos os poetas, todos os escritores e dar a homenagem pura de que tudo o que se escreve é real e acredito que num futuro próximo deixarei de escrever porque te terei a meu lado e irei desfolhe-ar teu corpo como um livro ainda por descrever e reler dia-a-dia meu amor.

by mghorta  (escrito em 1/03/2014)


Sem comentários:

Enviar um comentário