2 de abril de 2015

Anónimos.




Lembras-te daqueles dias, em que fomos uno, nos lugares menos pensados, aqui e acolá?

Éramos uno e isentos da merda que o mundo nos sujeita, corpo a corpo, bocas coladas, mãos e pernas tocadas, diante o Sol e perante a penumbra do anoitecer, em silêncio absoluto como só os amantes conhecem a essência desses momentos...

Nas trocas de confidências amorosas, manuseando os dotes corporais, éramos os seres mais anónimos do planeta.

Se o mundo acabasse nesses momentos, nem Deus nos encontraria naquele ninho de luxúria, tal era a cumplicidade das nossas almas na quietude do transe dos nossos corpos sexuados... 

by mghorta  (mamas à solta)


Sem comentários:

Enviar um comentário