30 de março de 2015

Sem retrocesso.



Melhor que ninguém para descrever a funesta consequência que um ciume doentio pode provocar, são dois trechos de Cervantes.

Vejamos:

  1. ''As grandes paixões, aquelas que chegam de repente, sempre trazem consigo suspeitas''.
  2. '' Se o ciume é sinal de amor, como querem alguns, é o mesmo que a febre enfermo. Ela é sinal de que ele vive, porém uma vida enfermica, maldisposta''.

Não te condeno por ter ciumes, mas quando exageradamente o demonstras é como podar a vida social de quem te admira, criando um fosso entre ambos levando a que a relação comece a denegrir, dando base ás hipóteses de uma mente fantasiosa e criando retrocesso no que desejaríamos.

Com o tempo aprendi que quem quer segurar algo fluido nas mãos, é como deixar passar a água pelos dedos. Pega uma taça com a mão e abriga nela o fluido liquido que desejas guardar, ele se transformará para teu deleite independentemente do seu teor.

O síndroma de Otelo, personagem de Shakespeare, é a figura que tens feito até agora, acabas por matar o amor que em nós existe, depois chorarás para sempre quando souberes que sempre te fui fiel, no entanto me perdeste para sempre.


Tuas percepções da realidade fazem instintivamente desencadear actos danosos, porque teu ciume doentio impera nos teus momentos, tua mente assume teorias conspiratórias fazendo tormento em copo de água onde não existe qualquer tempestade.

Olhando para trás nos séculos, temos a tragédia grega mitológica  que nos dá um ciclo como tratar isso. 
Édipo matou seu pai Laio e se casou com a amada Jocasta, entretanto descobre que ela era sua mãe. Por sua vez Édipo fura seus próprios olhos como tentado se interiorizar, Jocasta comete suicídio. 


O ciclo ciumento pode não ter fim, talvez até mesmo sem solução, na tragédia grega arriscamos a exemplificar que nos arriscamos a viver pecando, e com ele (pecado) nos vamos matando.




Sem comentários:

Enviar um comentário