13 de fevereiro de 2015

Gentileza.


Tenho recebido poesias de minha amizade, com poemas que fazendo-me flutuar nas nuvens densas do sonho
Sinto-me bocejado com tanta gentileza para comigo, dado que até me apercebo dos dias, horas ou minutos que passam como locomotiva rápida.
Nos fragmentos da vidraça quebrada do meu coração, sinto o carinho da amizade nos trilhos de minhas veias, como que indagando até onde seguirá a carruagem de tanta gentileza.
Debruçado na janela do luar, mirando através da cortina a paisagem se estendo pelas colunas do possível, poesia de meninice  que se distinguem com o bater de asas dos amigos, fazendo com que meus pés perseguisse o futuro.
Na sombra do túnel vou escrevendo meu destino, sou escritor de alma de Outono frio, canto versos de folhas caídas, sinto saudade em tudo que é simples.
Sentindo-me homem, útil, amado, amigo, admirado, vou querendo ler sorrindo, mesmo que me sinta distante entre o destino e o silêncio, vou agradecendo a gentileza.

by mghorta


Sem comentários:

Enviar um comentário