28 de fevereiro de 2015

Adeus...




Depois de dito o que não devia ter dito,
os remorsos impiedosamente esmiuçaram a alma,
o quadro ficou pintado de negro,
para desdizer e pedir desculpas,
desculpas evitam-se e palavras não se desdizem,
são Flechas que depois de lançadas matam...

Dores corroendo a consciência,
dado ao tão hediondo crime,
tentei abraçar na ânsia da desculpa,
não correspondido e medroso,
pairou pelos os ares um triste,
gemido e melancólico Adeus...

by mghorta


Prisioneiros...



Porque tem concessões o nosso amor,
porque as vontades são escondidas,
porque os nossos sonhos estão fechados,
porque soletramos palavras angustiantes,
porque temos nossos silêncios secretos,
porque motivo sorrimos disfarçados,
porque temos as asas sangrando pelo amor?

O amor para nós devia ser fonte de vida,
liberdade, felicidade, risos e vontade de viver.

Estamos prisioneiros nas vontades do desamor,
rastejando vamos deixando de viver até morrer.


by mghorta


Esse teu sorriso...



Esse teu sorriso encantador,
sublinhados pelos teus lábios,
que me prende,
que me enfeitiça
deixa-me louco e trémulo...

Esse teu sorriso...
Hummmm...
Exerce sobre mim indescritível poder
que me esquenta com a doçura do riso...

Esse teu sorriso...
Me devora em chamas ardentes,
que me provoca e acalenta...

Esse teu sorriso...
Me conquista diária-mente,
me seduz e sensualiza-me...

Qual mortal que resiste a esse teu sorriso,
devorador e sensual,
que me toma de rompante e dormente...

Esse teu sorriso...
Faz-me desejar-te,
ânsias de devorar-te,
saciar-te a todo o momento...
Hummmmmm

Esse teu sorriso...

by mghorta


27 de fevereiro de 2015

Silêncio dos amantes !


'Engana-se quem julga que o silêncio não é sinal de amor, o silêncio revela muito, muitas das vezes não falamos porque pensamos no outro, e assim  acabamos por deixar que o nosso silêncio fale por nós...'

Os que se silenciam também se amam, silenciam-se as palavras, bocas mudas não contradizem o que os corações mandam, abrem-se feridas com o passar do tempo, mas ainda continuam amar.

Sombras e temporais invadem o silêncio das almas gémeas, podem se calar as palavras mas os corações ainda se amam.

Tantas palavras proferidas, mas hoje o silêncio calou as nossas bocas mas não deixam de se amar, se preferirem deixar de lutar, o silêncio poderá ser matador.

Ficaram palavras reservadas guardadas para falar, talvez não mudasse nada aos as ouvirem, mas respeitam os sentimentos de ambos, por isso se mantêm silenciados um do outro para que ambos saibam que no futuro muito terão para dizer um ao outro após o silêncio arrebatador.

Poderiam até escrever cartas de amor, com lindas palavras declaradas, mas preferem as guardar para depois.

Optam por tentar esquecer os momentos curtos vividos naquele dia soalheiro, mesmo estando com os corações partidos ambos reconhecem que não podem se silenciar de vez, entendem em que muitas das vezes lutar por amor apesar do silêncio poderá ser recompensador.

by mghorta


O Perdão !


O perdão é como paralelos pisados, sujos e gastos pelo tempo, mas mesmo assim e por entre eles brotar uma linda flor!

Perdoar é fácil falar, mas é muito difícil o fazer, e mais complicado é pedir perdão quando erramos de algum jeito, para fazer tal gesto é necessário primeiro reconhecer que erramos, e com esses erros ferir ou até mesmo magoar alguém próximo de nós, porque os amigos é que se acercam de nós, os inimigos esses estão longe.

É preciso quebrar a couraça do orgulho, a barreira do status em que se vive, a natureza humana é tão vil que queima os corações, só mesmo os humildes tem essa capacidade.

Então se você reconheceu que errou no tempo e que precisa de o fazer quanto antes, faça isso, peça perdão e não perca o tempo dele.

Concertante-mente perceberá o milagre do alívio que advém dessa bela atitude que é saber pedir perdão e perdoar, mesmo que não tenha retorno imediato, sua condição ficará mais limpa e livre de qualquer mágoa que os erros provocam.

by mghorta


Tiras-me o sono...


Despertas-me o desejo,
no suave toque dos teus dedos,
com a suavidade de penas,
no sono incompleto.

Tua língua humedecida,
é mel espalhado no corpo,
perdendo o vício 
nos suores dos corpos.

Sem disfarce,
sem tréguas,
entregas por inteiro.

Despertas-me o desejo,
no tropeçar dos corpos,
na entrega frenética,
perco o sono sem ética.

by mghorta


Desejos...


Carne insaciável,
coração ferido
alma que vivo e amo.

Saciar os desejos,
nostalgia por amor,
por ser talvez feliz.

Talvez todas, nem uma...
conflitos da carne,
interior sofrível,
mas no fundo só amores...

Existência desprezível,
mundo por mover,
intimidade bela e vazia.

No fundo talvez,
procurando algo longe,
indizível talvez...

by mghorta


Amar...


Amar é sentir no peito a felicidade,
é sentir no corpo o calor de um abraço,
é fazer da lua, uma musa de amor,
do vento, um mensageiro de carinho,
da noite um labirinto de recordações,
amar é sofrer um instante de saudades,
é sentir um segundo de ciúmes,
é viver um momento de paixão,
amar é sentir a ausência de alguém,
é ver na saudade uma prova de amor,
é fazer do mundo um paraíso encantado.
O amor não pede, tem!
Não reivindica, consegue!
Não exige, dá!
Não pergunta, adivinha!
Existe para fazer feliz!
Amar é viver porque a cura vem através do Amor.

C.S.


Lágrimas.



Não derrames mais lágrimas,
porque quando acordares,
ainda por aqui estarei,
ao acordares batalharemos os teus medos,
e agora me vou...
Pego meu coração de volta,
ir de volta ás  minhas recordações,
não aguento mais...
Sequei as minha lágrimas,
pois encaro os anos passar,
a forma de como me amas,
dissipou todas as lágrimas,
apenas mais um pouco de tempo,
é tudo o que precisamos,
apenas mais um pouco de tempo,
para que consigamos-nos ver,
o que a Vida tem para nos dar.

C.S.


26 de fevereiro de 2015

Sonhos!



Nunca soube o que é o fim, falo na generalidade seja o que for, perdido na concretização do que desejava, ficando somente pelo meio, ou até possivelmente ficando pelo começo, tem sido assim desde que algo tem início, faço retroflexão para saber a razão, mas nada me ocorre para que saiba o motivo porque me encontro no meio de areias movediças.
Formato sonhos, todos eles amontoados em memória, talvez acha que assim teria todo o direito sobre eles, mas de nada adianta, fico percebendo que além se serem meros sonhos, tem peso em demasia na minha pessoa, talvez por pensar que sou apenas um ser sonhador a quem dizem que sou limitado e parvo.
Resta-me os largar no areal para que as águas os arraste ao centro da corrente, poderá assim seguirem para mar revoltoso, evitando assim idas e voltas no meu mundo de fracasso.
Muitos deram insolentemente à costa mais tarde, mas permaneceram por momentos, perdi o tempo com eles, por ter dado conta que as tarefas eram minuciosas em demasia para mim sendo molestado, quando neles me metia com alma e mente, tudo logo ruía, deixando minha alma penosamente corroída.
Os desejos, esses quedaram-se pelos castelos nas arribas, quando as águas revoltosas subiram, rugiram forte e eles caíram. No amor, a merda é a mesmíssima coisa, sorriu de vez enquanto, mas a realidade era outra, quando o notava, batia de ventas pelo chão.
Doravante, de hoje em diante, sonhar é proibido e só mesmos os que forem necessários, somente de aqueles que que não façam nós no peito, daqueles que não atropelem o coração e muito menos me façam mal na alma.

by mghorta


Talvez sim, talvez não...


Ilusão distancia o poeta,
vê um horizonte deslocado,
mapeia trilhos ao seu jeito,
perdido e desesperado.

Pânico dá razão ao mistério,
vendo o futuro enevoado,
tacteando a pulso rumo sério,
mesmo que chegando atrasado.

Impulsiva-mente na corrida,
fraseando versos inacabados,
perdendo no espaço ideias,
com sua vivência apagada.

Agitado com lembranças,
restando contemplar uma flor,
talvez tenha voltar a ser criança,
para não se esquecer falar de Amor.

by mghorta

25 de fevereiro de 2015

Um dó li tá...




Na encruzilhada da vida,
acordei sobressaltado,
desatentadamente aflito,
em sonhos vislumbrado caminhos,
como que promessas felizes,
peguei num lápis e rabisquei no papel,
fiz um mapa com trajectos na vida,
pormenorizadamente os altos,
afanosamente os baixos,
acidentalmente os erros,
para de novo não cair neles,
quedando-me por gostar,
de novo erguer-me feliz,
escolhendo pela vida
novo trilho percorrer,
só ou acompanhado,
cantarei um dó li tá.

by mghorta


Farrapos.



Como casa destelhada,
é a minha alma nua,
por companhia a tristeza,
guarida de farrapos,
na tentativa de sacudir pó,
varrendo a solidão,
perspectivando o Sol,
para deixar entrar o sonho,
da paixão e voltar amar.

by mghorta


Cavalheirismo.




Ela apareceu tal como ele esperava,
cabelos soltos borrifados pela chuva,
encantadora-mente vestida de preto,
fazendo bater mal da cabeça qualquer homem,
ele esperava por aquele encontro à muito,
sentido-se o homem mais feliz do mundo,
ambos conversaram horas sobre amizade,
nervosismo era tanto que ambos olharam-se,
foram momentos curtos mas belos,
conversaram sobre tudo e sobre nada,
trocaram olhares e sorrisos,
foi tudo tão intenso que o tempo passou,
um dia maravilhoso e tão incrível,
que demorou tanto a chegar e passou rápido,
que quando ele deu conta, ela disse que partia,
ele não queria que ela partisse logo,
tinha medo de não mais a voltar a ver,
mas ela garantiu pelo seu sorriso que voltaria,
o mundo parou no momento que cumprimentaram-se,
despedida cavalheiresca com um beijo na mão,
assim ela partiu sem olhar para trás,
mas deixou a certeza de uma amizade perfeita.

by mghorta


Pássaros feridos.



Feridos e sozinhos,
escondidos e iludidos,
asas quebradas no ninho,
pelas dores do coração,
tristes e sem sonhos,
na imensa solidão,
prisioneiros sem beleza,
imperfeitos e errantes,
distantes e magoados,
rastejando pelo chão,
perdidos no tempo,
sem vida e sofridos,
banidos e sem abrigo,
odiados sem razão,
somos pássaros sem amigos,
mortos e em extinção.

by mghorta 


17 de fevereiro de 2015

Parar.



Como tudo tem começo, criação, vida e morte, assim vai acontecer a este espaço, vou parar de escrever até que ideias, retroflexão de tudo o que tenho escrito não tenha qualquer significado ou direcção, se tal não e se chegar a essa triste e abismal conclusão, não mais irei voltar a escrever.


Submerso.


Estou sozinho, perdido na minha solidão,
relembrando pensamentos que me derrubaram,
nossa amizade foi uma ilusão, apenas ilusão,
meu peito dói, dores e angustias preenchem meu coração.

Perdi várias ideias para tentar resgatar nossa amizade,
sem ela fico submerso num oceano vago de dor,
este sentimento está em mim e não o quero sempre,
desejava retroceder mas teima ficar na minha mente.

Minha alma que outrora tinha carinho e atenção,
agora está submerso triste e cheia de solidão.

As águas que preenchem o vasto oceano,
são lágrimas de meus olhos com dor,
desejava secar todo aquele mal-entendido,
que cometemos na solidão daquela noite,
e voltar a dizer bem alto de novo, OLÁ AMIZADE.

by mghorta


16 de fevereiro de 2015

Tem coisas...



Tem tempestades.
Tem coisas sem retrocesso.
Tem coisas anunciadas.
Tem coisas que desejamos.
Tem coisas que queremos ver.
Tem coisas escondidas.
Tem coisas que se mostram.
Tem gotas transbordadas em copos.
Tem situações que nos apertam.
Tem mal-entendidos.
Tem silêncios mudos.
Tem palavras silenciadas.
Tem uma morte anunciada.

by mghorta




De mixordiapoetica

Decisões.



De cabeça baixa vou andar por ter tomado uma decisão, decisão que não queria desvalorizar, nem obter explicação nem motivos para desculpa de ter tomado uma escolha para com o presente, nestas decisões de vida implica muito o estado emocional de cada um, nelas surgem efeitos colaterais que magoam os fracos e matam os enfermos de coração.

Não tem escolha nem mas... 

Em função do nome, tomam-se decisões em que o pão, ou não, pau ou pedra, tristeza ou alegria, todas as tendências disponíveis de resultados, a escolha da verdade não tem permissão aos lamentos, não aceita o fracasso, não tem lugar para surpresas.

Nas decisões prévias ou circunstanciais, o ter que engolir em seco, como que levar um soco sem retorno no estômago e mesmo assim prosseguir, sem que tivéssemos outra escolha, é como que querer algo diferente para com o futuro, querer que as escolhas tomem rumo certo de novo dado às decisões tomadas a quente ou a frio, na certeza porém que como tudo na vida é um perder e ganhar, no final não deixa de ser um jogo, e isso tem nome, poderemos lhe dar por exemplo vivência.

by mghorta


Falhado.



Só por me meterem o doce na boca, e num ápice me ter sido arrancado, eu poderia conjurar contra todos os deuses. Depois de tantos anos no esquecimento, acordo para uma realidade que era um fogo intenso como que o Sol banhasse todo o meu peito, encantado como que estivesse sonhando de olhos abertos, na essência vida do que é melhor além da amizade e do Amor.

Protegido de uma certa forma pelos estranhos descupidos, observei o Sol se apagar sem que me tivesse dado um só aviso, deixando no meu peito um buraco negro que absorve a fé, alegria e  esperança do simples humano que apenas queria amar.

No epicentro do meu deserto, olho pelas ruas casais comuns de meia idade sorrindo de cumplicidade pura, fazendo jus à sua parceria de Amor, rindo do meu estado como que me estivessem de novo me mandar para o meio do Inferno real, que é a condição de falhado mais uma vez para o que de momento me parecia o Oásis da felicidade.

Sorrindo com marotice, falo baixinho e digo: 'O Sol há-de brilhar de novo...'

by mghorta


15 de fevereiro de 2015

A Vida Aperta.



Por vezes a Vida aperta,
só aperta e não enforca,
rola e embola as decisões,
até mesmo nos sufoca.

Vai instigando a resolver,
debochada-mente provoca,
causa choros e lamurias,
por todo o canto tem fofoca.

Tem dias que vem mansa,
adoça a Vida com guloseimas,
até surge tempo para assunto,
mas não deixa de ser apertada.

Aqui eu finjo que acredito,
estou acostumado nem me choco,
pergunto no fim o que quero saber,
qual o preço e se recebo troco.

A Vida sabe o que faz,
e onde melhor me coloca,
não reclamo nem me irrito,
só porque ela se foi embora.

by mghorta


Armadilhas das Promessas.


Foi através da dor que aprendi que existem três fatais armadilhas de compromisso:




Rick Waren


Sem admiração alguma, por vezes tomamos uma decisão que mais tarde por qualquer motivo nos arrependemos, seja em fazermos votos de algo, prometer muito e mais tarde sentirmos-nos arrependidos de o fazer, não porque tivéssemos a boa intenção de o fazer, só que as coisas tem contornos que uma forma ou outra tomam direcção errada, só que por algo que fazemos na simplicidade humana pode ter outra interpretação, sendo assim lá vão as promessas armadilhadas por água abaixo e tudo se esfuma como fumo de cigarro no ar.

Normalmente quando a fartura é muita, 'até o anjo desconfia', ou até mesmo quando as promessas vem ao nosso encontro de uma forma simples e abundante, dá para desconfiar de que algo não vai dar certo, e isto é relativamente ao passado e ao presente, na verdade tem sempre algo armadilhado em tudo o que fazemos ou aceitamos de alguém.

'' Quem tem consciência limpa, não morrerá de fartura''.

by mghorta




VOMITO DE PROMESSAS

Complexidade da Amizade!




Deixa uns desanimados, outros felizes...
É alimento para os enfraquecidos,
reinado dos fortalecidos,
é assim a complexidade da Amizade.

Faz-nos errar por momentos,
os fracos são desterrados,
os fortes fazem galhofa,
os assim assim que se assumem.

Sem sermos notados conquistamos,
construímos nossos cantos.
fazendo brilhar estrelinhas,
criando um mundo geral.

Estrelinhas...
Doces, meigas, sensíveis,
frias, soberbas, ternurentas, 
indiferentes, únicas...
É assim a complexidade da Amizade.


by mghorta



14 de fevereiro de 2015

Sorrio e Minto.



Não falo baixo nem sou astro,
a léguas de ser distinto,
rio-me alto, esqueço e omito,
desde os primórdios trintas.

Palro muito contando histórias,
sou do tipo mais que sintético,
preocupado com o que pensam,
não tenho não sendo ecléctico. 

Preocupe-me comigo
amando tanto e faminto,
dias alegres aproveito,
os nublados repinto.

Cabeceando declaro-me,
desejos não usam cinto,
senão declarar, não vou amar ,
mesmo que não der, sorrio e minto.

by mghorta

Quando!!!


Quando não quis te amar, 
pensei que fosse só paixão,
convencido de que era só amizade,
fui negando tudo o que tinha sentido,
procurei teorias para não acreditar,
todas as razões eram permissão de amar.

Quando te amei,
deixei de lado o orgulho,
enfrentei todos os medos,
driblei fantasmas do passado,
expressava-me sem qualquer temor,
passei a dar-me e declarar-me,
sorrindo voltei a cantarolar,
escrevendo cartas de amor,
acreditei que tudo iria mudar,
entreguei tudo da minha vida,
por troco recebi de você um não.

Azedumes, choro e dor,
desilusões, saudades e carências,
desejos, decepções e esperança,
baseados nas promessas de Amor!

Ainda te Amo,
mesmo que esteja errado,
até mesmo não querendo,
as dores são demais,
afinal de contas aconteceu,
nas confissões de Amor,
apesar de todas as mentiras,
com muita covardia pelo meio,
até com muito sofrimento,
ficando até dividido,
perdendo as esperanças,
te Amo ainda até tudo morrer...

by mghorta


Atordoado.


Neste espaço me esbarro,
sofrido com vida triste,
com faces me mascarando,
perdido escrevo como escravo.

Tossindo cuspo latência,
levando missão cumprida,
revelando a alma contida,
sentido pereço sem clemência.

Tropeço em gente demente,
contagiando minha pobre mente,
percorrendo trilhos fingindo,
vou andando com fé na Vida.

Sem bússola e sem semente,
atordoado prossigo prá frente,
mascarado é meu presente de Vida! 

by mghorta 

13 de fevereiro de 2015

Talvez...


Talvez tenha sido o acaso,
talvez a saudade,
talvez o sabor do beijo, 
talvez a vontade de um abraço, 
talvez aquele instante do desembarque,
talvez possamos ter mais momentos,
talvez voltaremos a estar juntos,
talvez o arrependimento,
talvez tenhas esquecido,
talvez retrocedas,
porque não outro talvez!

by  mghorta


Gentileza.


Tenho recebido poesias de minha amizade, com poemas que fazendo-me flutuar nas nuvens densas do sonho
Sinto-me bocejado com tanta gentileza para comigo, dado que até me apercebo dos dias, horas ou minutos que passam como locomotiva rápida.
Nos fragmentos da vidraça quebrada do meu coração, sinto o carinho da amizade nos trilhos de minhas veias, como que indagando até onde seguirá a carruagem de tanta gentileza.
Debruçado na janela do luar, mirando através da cortina a paisagem se estendo pelas colunas do possível, poesia de meninice  que se distinguem com o bater de asas dos amigos, fazendo com que meus pés perseguisse o futuro.
Na sombra do túnel vou escrevendo meu destino, sou escritor de alma de Outono frio, canto versos de folhas caídas, sinto saudade em tudo que é simples.
Sentindo-me homem, útil, amado, amigo, admirado, vou querendo ler sorrindo, mesmo que me sinta distante entre o destino e o silêncio, vou agradecendo a gentileza.

by mghorta


Esbarro-me!



 Esbarro-me na incerteza que me provoca angustia, meu velho coração tocado e melancólico trilha poeiras como que estivesse em estradas empoeiradas, nas capelas do dia a dia que abrigam bêbados e fulanos, presentes são coices de cavalo.

 Formando castelos em arreias movediças, tão frágeis que abrigam pessoas e setas.

 Preferindo querer que o céu me guie, dado que por estes trilhos só vejo turvos e pedras aguçadas como querendo me apunhalar de morte.

 Dado a imensidão do céu, certamente não iria tropeçar nas estrelas, porém tenho andado sobre trilhos, os mesmos que sonhando na opaca infância de menino.

 Adormecido no tempo, despontou a escrita em mim, nas flores procurei poesia, nas amizades recorri aos versos, no vinho os textos com anexo e desanexo, como que exilado num ajardinado espaço sem beija-flores.

 Com a frieza do infortúnio vou querendo aquecer sonhos, barrado nas veredas da ternura, da fé e do carinho escasso, como que dizendo o ditado: 'não há pão nem paz'.

 Morando em mim as quatro estações, nelas surgem os que querem me ver e os que outonal-mente espreitam-me através da fechadura aguardando o momento para a quedas das folhas, na sequência da frieza do Inverno, esbarrando-me em piratas ébrios como que navegasse em navio sem timoneiro, é como me sinto.

 Sem dramas vou acreditando na esperança, nela o Amor que poderá surgir em pleno, logo que se vá avistando a Primavera na poesia escrita.

 A minha história medíocre, sem anilar e apelar vou alinhavando Paz, sorrisos e respeito, semeando admiração pelos demais, formatando sonhos de Amor.

by mghorta


12 de fevereiro de 2015

Aquele dia...



 Foi naquele dia, no simples teclado que trocámos as primeiras palavras, só que não sabíamos o bem porquê. O acaso juntou-nos para tratar de uns assuntos.

 Trocámos palavras simples e inteligíveis, bem mais especiais de que outros mais que bem nos serviram do que a simples amizade dos nossos amigos.

 O acaso também nos separava numa altura em qua ainda chorávamos essa distância.

 Depois, depois fomos teclando o avanço calmo, devagar e devagarinho com troco de palavras repletas de carinho.

 Da distância à circunstância conversa de café, frente a frente falamos da banalidade do milagre dos dedos, os mesmo que nos fez chegar ao encontro.

 Num ápice, notámos que amizade era mais que admiração, num minuto, as palavras soletradas saíam do coração, num segundo já tínhamos a saudade da repetição de outra ocasião.

 Assim será um continuar de querer, amizade e admiração sem qualquer intenção de molestar nosso pequeno coração.

 Está feito, implacavelmente vamos prosseguindo no trilho da mente, com a força com que trocámos as primeiras palavras, obstinados em sem apartes, é assim a nossa Amizade.

by mghorta


O Sonho.




11 de fevereiro de 2015

Amália.



Essa voz que me encantou,
quando eu menina sonhava,
tem a magia que ficou,
Amália para mim cantava. 

Toda a cor do céu,
toda a água que tem o mar,
tudo em mim se confundiu,
quando te ouvi cantar.

Na voz o sabor do sal,
das lágrimas que são contidas,
no Fado escondes o mal,
das tuas dores sofridas.

Tua voz têm por magia,
misturar sentimentos
vendo na tristeza Alegria,
e no mal contentamentos.

Amália tu sabes bem
que o Amor é sofrido,
por isso cantas bem,
mesmo no Fado corrido.

Amália eterna serás,
por todo o bem que cantas-te,
no pedestal brilharás,
e sorrindo te verás,
julgando que ressuscitas-te.

Mtmartinho 1991


Hoje...



Percorri o meu caminho,
fiz compras e desloquei-me,
sento-me e não estou parado,
depois sinto-me como culpado,
culpa de não poder dar metade,
metade do meu andar meu amigo.

by mghorta


Distância.



Por distância ou por magia,
escrevi em doces prados.
Talvez, longe mas um dia,
escreva poemas vagos.

anónimo


Perdi-te!



Nem imaginei a ferida 
que se abriu em meu peito,
Só agora percebo a 
falta que me fizeste.
Será que te vou abraçar num 
abraço misto de saudade e Amor?

anónimo


De mixordiapoetica

Poesia.







De FRASES

Lembranças de Amor.




Lábios Beijados.



Pela frescura da madrugada,
respirando o mesmo ar,
aquele que me alimenta de gozo,
sentindo  tua humildade,
no desejo intenso de te possuir
dentro de mim meu sorriso,
tremendo com teus toques,
me incendiando no teu calor,
embalado nessa melodia feliz,
desejo-te muito, quero-te muito,
faz-me teu, faz-me delirar,
sente-me tremendo de felicidade,
com nossos lábios colados,
beijando-nos como se fossemos um só.

by mghorta


Basta.



No momento do golpe capital da redenção que o medo toma conta do mestre, a curvatura que se descreve ao longo da recta num sorriso desesperado.

Os joelhos se rendem e não podendo mais conter essa forte dor no peito, onde a crença e confiança são molestados como se fossem principiantes ou estejam em segundo plano, perdendo o brilho da criação.

Basta, retomamos o andar, mediante o que nos convenha, queremos assim dizer que vamos fazendo círculos em tudo que nos empenhemos, todos nascem para perseguir as suas próprias sombras, absolutos não existem na pluralidade.

Apenas teve um que o foi, Ele chegou muito antes de nós e seu nome é desespero, desnorteio é a sua arma enquanto o arrependimento dos actos errados é o conforto que Ele nos ofereceu, neste episódio Ele se dá ao luxo da misericórdia assim tal como os deuses.

Desta forma sugiro, aos que teimam por vias e travessas me fazer dobrar de rotina ou tristeza, que se afastem e deixem-me só aqui os que me alegrem e me dêem motivos sóbrios para sorrir.

by mghorta


10 de fevereiro de 2015

Histórias !




Quem não Chora !




Princípios de uma Amizade Perfeita.


Temos por vezes dificuldade de expressão, e este é um texto complicado em demasia para ser escrito, dado à complexidade de uma amizade perfeita.

Se reparamos bem, temos pessoas em nosso redor que só conseguem partilhar connosco coisas boas, isto é  motivado por princípios de natureza humana, bem como a educação que antes obtiveram nos meio de quem as educa, sejam elas de que raça, nação ou religião, tudo parte de princípios.

Delas só podemos ouvir coisas positivas, coisas boas porque nasceram num meio de princípios e não em fantasia. São amigos para as horas boas, estão connosco quando vamos ao futebol, quando bebemos, quando festejamos, quando comemos uma pizza, enfim um infinidade de coisas que poderíamos citar em que elas estão presentes. Elas adoram ouvir boas anedotas, histórias com finais felizes e participam o nosso lado bom da vida.

Outras também surgem ao nosso lado nas coisas más, permanecem ao nosso lado para nos ajudar, ajudam-nos a levantar-nos e dão-nos as mãos quando delas estamos precisando.

Aqui é que entra a grande razão de escrever algo tão complexo como é a amizade perfeita, porque umas só sabem partilhar coisas boas e outras só sabem participar nas coisas ruins!!!

Com isto não quero dizer que a pessoa que nos partilha nos momentos ruins não seja verdadeira, ou a que compartilha coisas boas seja menos cheia de princípios e a que primeira não goste de nós, a estrutura emocional da pessoa que partilha só coisas boas tem dificuldade em ultrapassar algumas linhas com que se rege a perfeita amizade.

Tomamos por exemplo, supondo que você sofreu uma vida inteira em um relacionamento ruim, certa Fulana esteve lá todo o tempo ao seu lado, depois de um indeterminado tempo você conseguiu  dar a volta por cima, deste modo ficou tão feliz e possivelmente mais que a própria Fulana que esteve lá nos momentos maus.

Ao ficar feliz não significa que a Fulana saiba lidar com a situação, também não significa que a Fulana te odeie, unicamente o que a Fulana soube fazer em todo esse tempo foi acompanhar, ajudar-nos e nem sequer pensou em que se poderia ter envolvido com você de qualquer forma emocional, esteve ali sempre no sentido prático dos seus princípios morais.

Por outro lado também funciona de outra forma, supomos que era você o feliz, e a Fulana esteve sempre ao seu lado, e de repente você decaiu e ela se foi, o afastamento não significa basicamente que a Fulana te odeie, mas sim o que provavelmente aconteceu é que o conteúdo emocional de você estar feliz foi demais para a sua condição emocional.

Por fim, o segredo aqui é sabermos dosear tanto a felicidade como as tristezas para manter seus amigos perfeitos em seu redor, compreender que ninguém, apesar de todos o quererem serem perfeitos amigos, até porque você mesmo não o é e não conseguiu na altura devida não deixar partir a Fulana quando se extravasou em felicidade quando ela mesmo estava precisando e não o soube dar a ela.

Saibamos compartilhar os momentos maus com pessoas que conseguem nos entender, e os momentos bons somente com pessoas que saibam participar neles!

Não se precipitamos em julgar este ou aquela pessoa afirmando que existe falta de perfeição, ou que sejam falsas para connosco, em tudo temos que ter em conta que a perfeita amizade é regido por princípios emocionais e saibamos assim controlar as situações ponto por ponto!

by mghorta


8 de fevereiro de 2015

Porque Não Tu!!!



''Tu te tornas eternamente responsável por aquilo que cativas''.

Antonie de Saint Exupéry




Tentar Conseguir!




A Vida é um Teatro.





Em Paris porque Não!




Quem És?



Haha...
que faço,
serei acrobata,
por acaso sou poeta,
bobo, idiota ou imbecil?

Poderei concordar sem rancor,

mas se me chamas mongo choro.

Ha...
Choro com louvor!
Fui coroado,
rei dos acrobatas,
dos bobos e Arquelinos,
sim sou Palhaço e amo o que faço,
vivo sorrindo e fazendo outros sorrir!
E tu, por acaso sabes o que fazes pela Vida!

by mghorta


É Perigoso ser Louco ?




Jogo !



Se queres jogar isso como jogo,
vamos lá e despe-te, vamos lá.
vamos jogar o jogo por querer,
prefiro desperdiçar não fingindo,
a ter que te esquecer um minuto sequer.

by mghorta


Vida com Recomeço.



Penso que preciso dar o primeiro passo,
passo para um novo começo de algo,
algo que me ajude a reencontrar na Vida.

Já passaram uns anos de incerteza,
já partiram os que me cuidaram com dureza,
como tudo na Vida tem recomeço,

Choque, beliscão preciso no meu coração,
para de novo encarar a Vida com certeza,
desta forma fazer dela uma circense atracção.

by mghorta




Mulher Apaixonada.



Pobre mulher apaixonada que
vive na expectativa de ser amada.
Seu ser amado nem sabe 
o quanto esta mulher o Ama.
Pobre mulher apaixonada que vive
imaginando morar com seu ser amado.
Seu ser amado nem sabe quanto
esta mulher vive pensando nele.
Como sofre esta pobre mulher apaixonada 
que se apaixonou pelo seu ser amado.

by mghorta


Fulano & Beltrano.



Não quero nem pensar que um dia vai haver um momento em que aqui vou retornar, ler estas minhas palavras de novo e pensar que tudo foi mero passado, não dei o verdadeiro valor que deveria ter dado ao que escrevo, ao que soletro, ao que faço, às coisas que devia ter feito e não fiz devidamente. 

Também não irei gostar de achar que não fui importante e insubstituível para alguém, por somente um momento, não tenho pretensão falsa, mas sei que muitos no passado me amaram em demasia, tinham uma séria admiração por mim, não quero dar motivos para que me venham odiar em qualquer circunstância, como também não irei gostar que venham sentir a minha falta, pelo contrário irei gostar que esses momentos fossem lembrados pelo que significou... bons momentos!

Não quero gostar de passar por este estado de passagem em vida sem dizer o quanto gostei de alguém e admirei, o que me fizeram falta e o que me iria doer se me afastar deles, de modo algum quero os ver longe de tudo a que me toca, iria também odiar se isso viesse por algum motivo acontecer, não sou leviano quando digo que os amei bem como tive admiração séria por eles.

Desta forma quero viver cada dia como se fosse o ultimo, cada momento, cada hora ou minuto como especial, dar o devido valor pelo que fomos e somos agora no presente.

Não vou deixar de ser o mesmo de sempre, sorrindo, dando piadas de vez enquanto, mesmo que por dentro tenha uma forte dor e aperto por não poder me expressar por completo, como não quero gostar que  esqueçam do extrovertido que sempre fui.

Quero que lembrem as piadas e risos em altos sons que eu proporcionei a cada momento, das loucuras saudáveis e das parvoíces a que sujeitei aos que me rodearam e me amaram.

Por fim quero que se lembrem do Fulano que com a bela idade de 59 anos ter sido muito louco naquilo que se dedicou, o tal Beltrano que nunca quis se arrepender de aquilo que fez, porque todas as coisas praticadas, aventuras ou desventuras o fizeram muito feliz.

Saibam que o homem que cresceu e partirá, sempre com a mesma alegria da adolescência louca permanentemente dentro dele, por qualquer modo nunca se arrependeu de ter sido diferente de todos, pois é a diferença que faz de mim único e louco fabulástico.

Assim um dia lerei estas palavras de novo, vou ter orgulho em tudo que fui, em tudo o que fiz, bem como todas as marcas que deixei , que deixo enquanto vivo.

Não descriminando alguém, é esta a mensagem que deixo a todas, a todos que gostam ou não gostaram de  mim!

by mghorta